Agressão a professora foi “caso isolado”, diz Prefeitura de Carapicuíba

2
professora carapicuíba agredida

A Prefeitura de Carapicuíba emitiu nota, na manhã desta quinta-feira (3), sobre o caso da professora agredida pela mãe de um aluno em uma escola do município na quarta (2). “Foi um caso isolado, que não reflete a conduta dos pais de alunos da rede pública municipal”, diz.

publicidade

A professora Vanessa Rosa conta que a mulher havia ido buscar o filho e a agrediu após ela se recusar a liberar uma outra criança na saída da escola sem autorização dos pais, na EMEF “João Hornos Filho”, na Vila Cristina. A agressora partiu para cima dela com tapas e xingamentos.

A docente desabafou nas redes sociais (confira abaixo): “Você está trabalhando e apanha de uma mãe porque estava protegendo a criança. Os pais olhando, ninguém faz nada. A escola, também não faz nada. Isso é um absurdo, estamos abandonados, ninguém olha por nós”, lamentou.

publicidade

“O professor está largado. Não somos nada, não valemos nada. Profissão ingrata”, completou ela, que recebeu o apoio e palavras de incentivo de milhares de internautas.

A Prefeitura de Carapicuíba diz na nota sobre o caso que “a Secretaria de Educação está prestando todo auxílio à professora, oferecendo inclusive atendimento psicológico”. Além disso, “a Guarda Municipal esteve na escola em poucos minutos do ocorrido. Além disso, a própria secretária de Educação acompanhou a professora na Delegacia. Todos os envolvidos prestaram esclarecimentos à polícia, que está investigando o caso”.

publicidade

“A Prefeitura ressalta que a conduta da professora de não liberar o aluno sem autorização prévia foi correta, pois os profissionais da educação prezam a segurança das crianças. Toda escola deve ser comunicada pelos pais, caso outra pessoa esteja autorizada a buscar o aluno”, completa a administração municipal.

Comentários

2 COMENTÁRIOS

  1. Boa tarde gente!
    No meu ponto de vista horas estas de grande tenção e responsabilidade atribuída em chegada e saída de alunos de emerf ou não deveria está na uma viatura ostensiva porque a maioria dos crimes entre alunos e contra os mesmos acontece mais frequente neste momento é aí seria hora de conduzir a agressão e punir em flagrante porque há um código de quê se aplica aos agressores de funcionários públicos e da saúde porém esta no papel e no Brasil e raro estes códigos serem executados e ninguém queira saber se o agressor tem residência fixa no município não porque se advogado usa isso para defender fica muito fácil praticar delitos. Estas coisas acontece desde que o senado deixou estas brechas para infratores se defenderem , isso como mais a de surto e desvio psicológico e as vezes o infrator se praticam já sabendo como vai se defender…

  2. Lamentável que aconteça. Adolescentes , jovens e pais não tem limite e nem sabem o que é respeito. Triste. Estão desequilibrados.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorHoróscopo do Dia | Previsões de hoje (03/10) para o seu signo
Próximo artigoDemissão de quase 2 mil comissionados em Barueri é suspensa pelo STF