Alunos da Fatec Osasco criam app que facilita vida de usuários de...

Alunos da Fatec Osasco criam app que facilita vida de usuários de ônibus

5
Compartilhar

Alunos da Faculdade de Tecnologia do Estado (Fatec) Prefeito Hirant Sanazar, de Osasco, desenvolveram ferramentas tecnológicas para passageiros de linhas de ônibus, entre eles, um software que permite identificar se o veículo está vazio, parcialmente ocupado ou lotado.

Publicidade

O projeto foi desenvolvido pelos alunos William Avancini e Jéssica Cruz ao longo de dois anos de trabalho, de acordo com proposta formulada pelo professor de Banco de Dados da Fatec de Osasco, Fábio Brussolo.

O nível de ocupação do veículo é calculado em porcentagem. De 0 a 50%, vazio, de 50% a 90%, parcial, e de 90% a 100%, lotado.

A utilização do aplicativo está sendo negociada com a Prefeitura de Osasco. O conceito foi apresentado a Roberto Sekiya, titular da Subsecretaria de Empreendedorismo e da Micro e Pequena Empresa de São Paulo, órgão ligado à Secretaria estadual de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação, que indicou empresas do ramo de transporte para o prosseguimento da proposta.

William Avancini e Jéssica Cruz recém-concluíram a graduação tecnológica de Redes de Computadores da Fatec Prefeito Hirant Sanazar, de Osasco.

Publicidade

Eles pretendem registrar a patente do software, que, segundo os estudantes, é inédito e buscam uma aceleradora para criar uma startup do projeto.

“Estamos em fase de pesquisas na Anatel para viabilizar a autorização necessária para uso da frequência para o tráfego de nossos dados pelo nosso dispositivo. Também estamos em andamento com melhorias nos sensores e na disponibilização da informação”, conta William.

”A melhora contínua da qualidade do sistema de transporte coletivo é uma iniciativa importante para reduzir o caos criado pela superpopulação dos grandes centros urbanos e o custo público de manutenção de vias”, afirma o orientador do projeto e professor de Linguagem para Programas de Ambiente de Redes II, da Fatec Osasco, Alexandre Di Primio.

Sistema inteligente
O segundo projeto, o SVI Online, dos alunos Reginaldo Costa e Julia Pedrosa, ambos do sexto semestre do curso de Redes de Computadores, propõe que os pontos de ônibus tenham um terminal com um tipo de totem com o qual o usuário possa interagir em busca de informações sobre horários, problemas na via e trajetos. A abrangência é toda a cidade de Osasco.

Publicidade

O projeto inclui o monitoramento 24 horas pelas câmeras instaladas nos pontos por meio de um sistema de circuito fechado de televisão (também conhecido pela sigla CFTV) na rede implantada, visando melhorar a segurança. Está prevista ainda a supervisão de componentes de rede por meio da operadora de transporte e contato por voz ou vídeo direto com a central prestadora. Todos os serviços são disponibilizados sem que seja necessária a utilização de smartphone próprio, o que minimiza os riscos à segurança do usuário.

De acordo com Júlia, o trabalho foi finalizado em quatro meses. “Focamos no bem-estar e visibilidade do passageiro, que muitas vezes se sente ignorado. Identificamos que grande parte da insatisfação é decorrente da falta de comunicação do usuário com a reguladora e aproveitamos a oportunidade para melhorar essa experiência”, destaca.

Em abril do ano passado, os estudantes apresentaram o conceito ao presidente da Companhia Municipal de Transportes de Osasco (CMTO), Paulo Arnoni. A conversa foi essencial para os alunos e caminha para a implantação de um projeto-piloto do software no município.

“Conseguimos uma visão mais ampla, agora com os dois lados da moeda: o usuário e o provedor dos serviços de transporte”, diz a aluna Júlia.

Publicidade

“Estamos em processo de aperfeiçoamento para atender também deficientes visuais. Em breve, apresentaremos a ideia na Feira Tecnológica do Centro Paula Souza (Feteps) para conhecimento do público em geral.” Segundo Reginaldo, os próximos passos incluem a busca de parcerias com outras cidades.

Para o professor Brussolo, os dois projetos são extremamente valiosos para a mobilidade. “O poder de decisão fica disponível tanto para a sociedade quanto para o poder público. No caso do projeto do Willian e da Jéssica, a decisão fica com o usuário do transporte coletivo. Já o projeto do Reginaldo e da Julia, monta uma estrutura flexível para o poder público. Os projetos podem ser trabalhados em conjunto”, conclui.

Compartilhar

Comentários