Alunos rejeitam proposta de Alckmin e escolas continuam ocupadas

1

Escola Heloisa de Assumpção, em Quitaúna, foi a primeira a ser ocupada em Osasco / Jeferson Martinho
Escola Heloisa de Assumpção, em Quitaúna, foi a primeira a ser ocupada em Osasco / Jeferson Martinho

publicidade

Em audiência de conciliação na tarde desta quinta-feira, 19, em São Paulo, representantes dos alunos que ocupam mais de 60 escolas estaduais rejeitaram proposta apresentada pelo governo Geraldo Alckmin. Continua a mobilização contra a “reorganização” que deve levar ao fechamento de mais de 90 escolas. Nova audiência sobre o tema deve ocorrer na segunda-feira, 23, no Tribunal de Justiça de São Paulo.
O secretário de Estado da Educação, Herman Voorwald, propôs a suspensão temporária do plano de “reorganização” da rede mediante a desocupação imediada das escolas. O projeto seria rediscutido e voltaria à pauta no início de dezembro. Lideranças estudantis avaliaram que a proposta apresentada pelo governo Alckmin seria uma estratégia para desmobilizar o movimento e seguir com o plano.
Os estudantes recusaram, exigindo que a “reorganização” seja suspensa por todo o ano de 2016, período no qual ela seria discutida com alunos, pais, professores e comunidades, e que nenhuma escola seja fechada com as mudanças.
“É até possível aceitar a ‘reorganização’, desde que nenhuma escola seja fechada”, afirma a vereadora de Osasco Mazé Favarão (PT), que acompanhou a audiência em São Paulo nesta quinta. Há outras reivindicações, como a de que estudantes ou professores que participaram das mobilizações não sejam punidos.
Até a noite desta quinta, 19, eram quatro escolas de Osasco ocupadas: Leonardo Villas Boas (Jardim Roberto), Coronel Antonio Paiva de Sampaio (Quitaúna), Heloísa Assumpção (Quitaúna) e Francisca Peralta Lisboa (Jardim Elvira).

Aluno “amordaçado” exibe cartaz na E.E Heloísa Assumpção
Aluno “amordaçado” exibe cartaz na E.E Heloísa Assumpção

Ameaça de reintegração e problemas com a polícia

publicidade

A Heloísa Assumpção foi a primeira escola de Osasco ocupada, dia 12. A unidade teve ameaça de reintegração na quarta, 18, o que causou temor na comunidade. “Desde quinta [12, início da ocupação], não durmo direito. Mas tenho que ser forte. Eles estão muito organizados e têm o direito de lutar”, disse a mãe de um dos alunos que participam da mobilização.
Um dos estudantes da ocupação declarou à reportagem: “só corro se me mostrar um [revólver] 38. De resto, vou ficar parado e pode bater que aguento”. Na audiência desta quinta ficou definido que as reintegrações estão suspensas até a próxima negociação, na segunda, 23.
Também foram registradas pequenas ocorrências policiais em unidades ocupadas em Osasco. Na escola Leonardo Villas Boas, duas jovens foram levadas à delegacia e acusadas de dano ao patrimônio, o que não foi comprovado e elas foram liberadas. Nesta quinta, 19, na Francisca Peralta Lisboa, uma aluna foi levada à delegacia sob suspeita de ter fumado um cigarro dentro da unidade ocupada. Ela foi liberada logo depois.
“Nas escolas ocupadas, os alunos ocupantes têm tido um cuidado muito grande com a manutenção do patrimônio”, afirma a vereadora osasquense Mazé Favarão, que tem acompanhado as ocupações.

A reorganização

publicidade

Com a “reorganização”, o governo do estado pretende separar escolas em unidades de ensino fundamental 1, para crianças do 1º ao 5º ano; ensino fundamental 2, do 6º ao 9º ano; e ensino médio.
A Secretaria de Estado da Educação afirma que os alunos afetados não serão transferidos para acima do limite de 1,5 km. Em todo o estado, 311 mil alunos terão de mudar de escola e 1,4 milhão serão diretamente impactados.

Comentários

1 COMENTÁRIO

  1. Os protestos contra a reorganização das escolas estaduais que está sendo implementadas pelo Governo de SP são atos políticos organizados pelo PT com o único objetivo de colocar a opinião pública contra o governador Geraldo Alckmin. Eles não se preocupam com a educação, só querem desgastar a imagem do governador. A mentiras espalhadas pela Apeoesp e a participação do MTST e outros movimentos ligados ao PT nesses atos é a prova disso.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorConfira as 145 atrações do Osasco Cultural
Próximo artigoSesc apresenta projeto das novas instalações