Antônio Carlos Roxo: Uma janela de oportunidades

0

Antônio Carlos Roxo*

publicidade

Há uma diferença entre os conceitos de trajetória e paradigma. Paradigma é o que comanda o processo, a linha mestra, poderíamos dizer a estratégia; a trajetória é o caminho percorrido para atingi-la, a prática, mal comparando. O mundo passa por mudanças profundas com a evolução rápida da tecnologia da informação que acaba influenciando no modo de produzir. Haja vista, os novos produtos, a produção em 3D, que desemboca na chamada nova revolução produtiva com a produção 4.0, que é a integração produtiva/informatização em larga escala.

Pois bem, aquela história de quem está ganhando não mexe no time, apesar de não ser de toda adequada, tem muito a ver com a realidade econômica dos países. Se um país, região, se desenvolveu, dentro de uma linha produtiva, de um paradigma, terá mais dificuldades para mudar.

publicidade

As mudanças de paradigmas são brutais, revolucionárias mesmo, é o novo nascendo do velho com todas as contradições inerentes ao processo. Ora, quem está atrás, tem mais propensão de arriscar, de enfrentar mudanças, afinal não tem muito a perder. É quando surgem as oportunidades para dar um salto diminuindo as diferenças.

Aconteceu com a Coreia, Japão, lá atrás, China agora e outros. Resistências menores, inclusive as produtivas. O que não se dá por geração espontânea. Há que se ter um “demiurgo”, que apesar das campanhas contrárias, tem tudo para ser o Estado a cumprir este papel. Canalizar forças e fomentar o novo que surge. Propiciar condições materiais/financeiras e sobretudo institucionais para a emergência do novo.

publicidade

Aí também entram as regiões, que unidas, podem canalizar esforços e estabelecer as trajetórias que fomentem a evolução deste novo: biotecnologia, nanotecnologia, 4.0?

A Região Oeste tem, através do Cioeste, o instrumento e as condições estruturais e organizativas para se integrar a este novo mundo que já nasceu.

O Fórum de Desenvolvimento da Região Oeste, com o mesmo empenho, quer se integrar a este esforço pelo lado da sociedade civil. Estamos atrasados.

Neste aspecto a educação cumpre papel crucial embora não único. A Região conta com um conjunto de Universidades, entre as quais a Unifesp-Osasco, diversas Fatecs e Etecs, a Faculdade de Medicina recém-instalada em Osasco (fruto do Programa Mais Médicos, viram?), e outras, a despeito do debacle da tradicional Unifieo.

Esforços vários são necessários, inclusive de coordenação entre os municípios, necessidade que teoricamente todos aceitam com pedras inúmeras na caminhada. Mas, dificuldade é para ser enfrentada e ponto final.

Tempos atrás foi registrado pela imprensa a proposta de integração entre os hospitais públicos da região, cada um se especializando em determinadas especialidades, gerando um sistema hospitalar integrado de alto padrão.

Se é possível, dado que a proposta não caiu do céu, não seria exequível a integração em outros setores tão importantes quanto, inclusive nas atividades produtivas strictu sensu?

* Antônio Carlos Roxo é doutor pela USP, professor visitante da Unifesp e analista do Seade. Participa da FBP-OM

Comentários