Aplicativos facilitam a solicitação de serviços de conveniência

0
Ferramenta não terá custos para consumidor e estabelecimentos / Foto: Reprodução

Ferramenta não terá custos para consumidor e estabelecimentos / Foto: Reprodução
Ferramenta não terá custos para consumidor e estabelecimentos / Foto: Reprodução

publicidade

Carol nogueira

Com a popularização dos smartphones ganharam força os aplicativos de conversação por mensagens de texto, voz e vídeo. A promessa agora são aqueles que trazem para a palma da mão a conveniência de solicitar serviços como táxi, motoboy e delivery. Entre outubro e dezembro de 2013, uma empresa da região Oeste, a GEN TI Consulting, desenvolveu e testou o aplicativo DoOn – Delivery Gostoso, que disponibiliza restaurantes a partir da localização do consumir.

Empresa de Cotia cria app de comida delivery

publicidade

O DoOn quer abranger todo o país, mas no período de experimentação funcionou apenas em Cotia, com 12 estabelecimentos cadastrados, entre pizzarias, pastelarias, docerias e marmitex. O aplicativo está em fase de homologação, com previsão de lançamento no início de março atendendo cidades do litoral, bairros da capital paulista e possivelmente a região de Osasco.
Os criadores do aplicativo estão realizando o registro de representantes que vão atuar temporariamente nos bairros para ofertar o aplicativo aos restaurantes. “O DoOn não terá custo para o estabelecimento e o consumidor. A única forma de remunerar o aplicativo será através dos itens vendidos; por exemplo, R$ 0,20 por cada produto”, explicou Gilson Rangel, diretor fundador da GEN TI Consulting.

Já os representantes serão remunerados se conseguirem vender espaços de destaque no aplicativo para os estabelecimentos. As locações destacadas variam de R$ 40 a R$ 600 e o vendedor pode lucrar até 70%.
O DoOn será disponibilizado pelo site, que ainda está em construção, e pela Google Play, a loja da Google. O Visão Oeste teve acesso exclusivo a uma versão de testes do aplicativo. Após cadastrar o endereço, o consumidor poderá clicar no ícone do produto que deseja comprar para abrir uma busca de acordo com a localidade informada. Antes de encerrar o pedido haverá a opção de pagamento em dinheiro, cheque e cartão de débito ou crédito. Depois o cliente terá a estimativa de espera, poderá acompanhar o status e salvar o pedido para compartilhar com os amigos via WhatsApp. O pagamento é realizado na entrega do produto.

publicidade

Segundo Gilson Rangel o período de experimentação foi bom. “Estamos trabalhando forte a divulgação e o comprometimento do lojista, pois seu uso do aplicativo está deixando a desejar. Precisamos conscientizar o comerciante de que ele precisa estar conectado e atender os pedidos que chegam pelos smartphones”, relatou.

SAMU será interligado às redes sociais

Na edição 2014 da Campus Party, que aconteceu na última semana de janeiro, o Ministério da Saúde lançou o aplicativo E-SUS Samu que vai permitir aos usuários acionarem as ambulâncias do SAMU. O sistema utiliza dados do Facebook, como localização, sexo e idade, entre outros, e do aplicativo Waze, que concentra mapas de dados sobre trânsito de maneira a fornecer estimativa de tempo de chegada da ambulância.
O sistema vai avaliar o perfil no Facebook eliminando pedidos de contas “fakes”. O aplicativo já está disponível para download em samuemergencia.com.br. Em março, no carnaval de Salvador, será lançado em inglês e espanhol.

Ao clicar no botão de emergência, uma notificação será enviada à pessoa indicada pelo usuário como primeiro contato. Em seguida, o chamado poderá ser publicado no mural do paciente e o sistema envia os dados para a central de atendimento, que repassa a ligação para o 192 para informar o estado de saúde do usuário.

Comentários