Após impasse com Exército, Justiça determina entrega de moradias do Conjunto “Miguel Costa”, em Osasco

4

Após um impasse entre a Prefeitura de Osasco e o Exército, a Justiça Federal aceitou o pedido de liminar feito em abril conjuntamente entre a administração municipal, Ministério Público e Defensoria Pública da União e, nesta terça-feira (18), determinou que a Caixa Econômica Federal (CEF) promova a entrega dos 960 apartamentos do Conjunto Habitacional “Miguel Costa”.

publicidade

As moradias populares ficam ao lado de área do Exército na região de Quitaúna. O Exército alegava motivos de segurança para impedir o acesso de pessoas e veículos ao empreendimento, que já tem moradias concluídas e prontas para serem entregues desde dezembro.

O despacho determinou ainda que no prazo de 60 dias, o município instale nas imediações do local, um estacionamento gratuito de veículos que se comprometera a providenciar para os moradores, assim como o traslado dos usuários entre o bolsão e as passarelas para o acesso de pedestres ao Conjunto Habitacional.

publicidade

O município também terá de providenciar a segurança necessária aos usuários do bolsão de estacionamento e do traslado às passarelas e, no prazo de 24 meses, contados a partir de 30 de abril, concluir as obras de “desencravamento” definitivo do conjunto  mediante a construção de viaduto por cima dos trilhos da CPTM (ou outra solução que se mostrar tecnicamente segura e viável).

A decisão judicial determina ainda à União e à CPTM que, enquanto não sejam concluídas as obras de “desencravamento” do acesso aos imóveis, suportem a passagem de veículos pela passagem de nível situada em frente ao Comando do Exército, ao lado da Estação Quitaúna.

publicidade

A passagem, conforme aponta o despacho judicial, será destinada unicamente ao trânsito de veículos oficiais, veículos de emergência e veículos prestadores de serviços públicos essenciais. Deverá ser permitida, também, a passagem para a entrega das mudanças (e outras mercadorias) das famílias no local, o que deverá ser feito segundo cronograma e em horários fixados de comum acordo entre o município, os moradores do local e a CPTM, de forma a não prejudicar a segurança dos serviços de transporte público.

O município também foi incumbido, caso necessário, de providenciar a entrega de mercadorias no local por seus próprios meios.

ENTENDA O CASO

A Prefeitura decidiu recorrer à Justiça porque todas as tentativas e propostas feitas à CPTM e ao Exército Brasileiro para liberar o acesso de veículos e pedestres ao empreendimento foram rejeitadas. O Exército alegava motivos de segurança para impedir o acesso de pessoas e veículos ao empreendimento.

As 960 unidades já estão prontas, sendo que as 380 primeiras deveriam ter sido entregues em dezembro do ano passado.

A prefeitura tem pronto projeto para a construção de um viaduto (obra estimada em R$ 18 milhões) ligando a Avenida dos Autonomistas ao empreendimento, o que colocaria um ponto final no caso.

O prefeito de Osasco, Rogério Lins, comemorou a decisão: “Recebi com muita felicidade a informação, porque não faz sentido prejudicar famílias que há muito tempo aguardam uma moradia digna”.

Construído em parceria entre a prefeitura e o governo federal, por meio do Programa Minha Casa Minha Vida (PAC2), o conjunto habitacional abrigará famílias do próprio Miguel Costa, do Jardim Santa Rita, e do Jardim Rochdale.

 

Comentários

4 COMENTÁRIOS

  1. Vai virar um caos, já que para atrapalhar construíram uma rodoviária no meio da Av dos autonomistas, só podia ser em Osasco e Carapicuíba, onde o trânsito é horrível depois das 15 horas, e com pista que afunila o trânsito após a estação Miguel Costa, tem que liberar a faixa zebrada para o trânsito andar mais rápido.

  2. Onde esse povo vai fazer compras , estudar ? Muito mal planejado esse conjunto e num local não apropriado… Vai virar um caos em Quitaúna… Um verdadeiro inferno. Construíram um conjunto habitacional no meio do nada . Entre exército , Av ..dos autonomistas e Rodoanel..

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterioriFood testa em Osasco serviço de entrega de compras de supermercado
Próximo artigoDeputado quer aumentar prazo de validade dos remédios