Audiência é marcada por críticas ao fechamento de escolas

1
A dirigente regional de ensino, Irene Machado, fala sobre mudanças na rede

A dirigente regional de ensino, Irene Machado, fala sobre mudanças na rede
A dirigente regional de ensino, Irene Machado, fala sobre mudanças na rede

publicidade

Leandro Conceição

Audiência pública sobre a “reorganização” do ensino nas escolas estaduais, que vai levar ao fechamento de 94 escolas pelo governo de Geraldo Alckmin (PSDB), foi alvo de críticas de professores, estudantes e vereadores em audiência pública na Câmara Municipal de Osasco na terça-feira, 27.

publicidade

Na região, serão fechadas 14 escolas estaduais. Os prédios serão reaproveitados na área da Educação, repassados aos municípios para serem escolas municipais, Centro Estadual de Educação de Jovens e Adultos (Ceeja) ou Centro de Estudo de Línguas (CEL), informou a Secretaria de Estado da Educação na quarta, 28 [veja tabela].

Na audiência em Osasco, o secretário-geral do Sindicato dos Professores (Apeoesp), Leandro Alves Oliveira, afirmou que o objetivo do governo Alckmin é “o enxugamento da máquina, fechar escolas, reduzir custos”.
Apesar de o governo do estado negar, um dos riscos das mudanças é a superlotação de salas, declarou o secretário da Apeoesp. “Existem hoje inúmeras escolas no estado com 40, 50, 60 alunos [em sala de aula]”.

publicidade

Outro risco é a “demissão” em massa de professores temporários. “42 mil professores são categoria ‘O’ (possuem contratos anuais) no estado, não têm a garantia de emprego no próximo ano. Com esse projeto de fechar escolas, reduzir escolas, 42 mil professores, num primeiro momento, serão ‘demitidos’. Aliás, não é nem ‘demitidos’, já que a coisa é tão precária que nem contrato eles têm”, alertou Leandro Oliveira.
“Truculência”

O professor também protestou contra a falta de debate prévio sobre a proposta de ‘reorganização’ do ensino com a sociedade: “Ninguém participou de debate nenhum sobre a ‘reorganização’ do ensino”.

O presidente da União dos Estudantes de Osasco, Igor Gonçalves, reclamou da “truculência” do governo Alckmin na educação e lembrou de protestos de professores reprimidos com violência pela Polícia Militar. “A gente acompanha, durante esses 20 anos de PSDB [no governo paulista], um governo truculento na educação”.

Nesse processo a gente vai ter uma escola melhor

A diretora de Ensino da Região de Osasco, Irene Machado, reclamou na audiência pública de boatos de que sete escolas de Osasco seriam fechadas e disse acreditar na melhora na qualidade do ensino com as mudanças promovidas pelo governo do estado. “Nossa gestão é séria, comprometida com o investimento feito na escola pública. Nesse processo a gente vai ter uma escola melhor”.

A reorganização vai separar a maioria das escolas em unidades de ensino fundamental 1, para crianças do 1º ao 5º ano; ensino fundamental 2, do 6º ao 9º ano; e ensino médio.

A Secretaria de Estado da Educação afirma que os alunos afetados não serão transferidos para acima do limite de 1,5 km. Em todo o estado, 311 mil alunos terão de mudar de escola e 1,4 milhão serão diretamente impactados.

Escolas da região afetadas pela “reorganização” de Alckmin

Osasco:
Antonio Paiva de Sampaio – Destinação: Centro de Estudos de Línguas (CEL)
Guilherme de Oliveira Gomes – Destinação: Centro Estadual de Educação de Jovens e Adultos (Ceeja)

Barueri:

Amador Aguiar – Destinação: Escola Municipal
Henrique F. Gomes – Destinação: Escola Municipal
Ivani Maria Paes – Destinação: Escola Municipal
Jardim Maria Helena I – Destinação: Escola Municipal
Jardim Paulista – Destinação: Escola Municipal
José Leandro de B. Pimentel – Destinação: Escola Municipal
Lênio Vieira de Moraes – Destinação: Escola Municipal
República de Cuba – Destinação: Escola Municipal
República de El Salvador – Destinação: Escola Municipal

Carapicuíba:
Oscar Graciano – Destinação: Diretoria de Ensino

Cotia:
Pequeno Cotolengo Prédio alugado devolvido. Alunos mudarão para nova escola

Jandira:
Oswaldo Sammartino – Destinação: Escola Municipal

Comentários

1 COMENTÁRIO

  1. Nenhuma escola será fechada. As escolas ociosas serão usadas para novas creches, Etecs e Fatecs. A separação por ciclos vai melhorar a qualidade da educação. Os alunos terão material, mobiliário e atendimento voltados a sua idade. Nenhum aluno ficará a mais de 1,5 Km de sua casa. As escolas já separadas por ciclos apresentam rendimento superior às demais. A Apeoesp sempre será contra qualquer proposta do governo de SP. Eles não defendem a educação, o que eles defendem são os interesses do PT.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorQuatro chapas disputam eleição na OAB Osasco
Próximo artigoNova reunião do Cioeste