Bancários rejeitam nova proposta e greve é mantida

1
Cartaz informa sobre paralisação em agência do Santander no Centro de Osasco

Nesta sexta-feira, 9, os bancários rejeitaram a proposta de 7% de reajuste salarial mais R$ 3,3 mil de abono apresentada pela Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) e mantiveram a greve iniciada na terça-feira, 6. Na terça-feira, 13, deve haver nova rodada de negociação.

publicidade
Cartaz informa sobre paralisação em agência do Santander  no Centro de Osasco
Cartaz informa sobre paralisação em agência do Santander no Centro de Osasco

De acordo com o Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, até esta sexta, 9, foram fechados 890 locais de trabalho entre agências e centros administrativos, abrangendo cerca de 50 mil bancários, na área de abrangência da entidade.

De acordo com os bancários, a proposta da Fenaban representa perda salarial de 2,39% diante da inflação de 9,62% (INPC). A categoria reajuste salarial de 14,78%, sendo 5% de aumento real; participação nos lucros e resultados de três salários mais R$ 8.297,61; piso salarial de R$ 3.940,24; vales-alimentação, refeição, 14º salário e fim das metas abusivas e assédio moral, entre outras pautas.

publicidade

“Os bancários trabalham para o setor que mais lucra no Brasil. Somente nos primeiros seis meses deste ano, BB, Caixa, Itaú, Bradesco e Santander, os bancos que compõem a mesa de negociação, lucraram juntos R$ 29,7 bilhões. Não tem crise para banqueiro, não pode ter para bancário”, afirma a presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, Juvandia Moreira.

“Os trabalhadores já deram mostras da disposição de luta nesses primeiros dias de paralisação. Então, se os bancos querem o fim da greve, têm de trazer proposta que mereça ser apreciada pela categoria”, completa Juvandia.

publicidade

Comentários