Candidato da Rede diz que cidade precisa de zelador

0

Osasco// Quarto entrevistado pelo Visão Oeste, Marcos Arruda também criticou Celso Giglio (PSDB), que, para ele, “entregou a cidade pro PT”

publicidade

Candidato da Rede diz que cidade precisa de zelador

Candidato a prefeito de Osasco pela Rede, o ex-vereador Marcos Arruda diz que “a cidade está precisando de um zelador”. Ele critica a atual gestão e diz que decidiu se candidatar por não acreditar nos demais candidatos. Para Arruda, “Celso Giglio e Francisco Rossi entregaram a cidade pro PT”. “Em 2012, Giglio sabia que estava inelegível, como está agora de novo. Vai entregar a cidade pro PT de novo?”, afirmou.

publicidade

Quando filiado ao PSC, Marcos Arruda fez parte do grupo político que chegou a ocupar uma secretaria no início do atual governo. O grupo ficou pouco tempo no governo por divergências com o prefeito Jorge Lapas (PDT). Mais recentemente, Arruda articulou a formação do Rede em Osasco. “Sempre tive um carinho muito grande pela Marina [Silva] e pelo pensamento da sustentabilidade que a Rede tem. Me filiei via internet e pleiteei a possibilidade de ser candidato”, explicou.

O candidato foi o quarto entrevistado pelo Visão Oeste e a conversa foi transmitida ao vivo pelo Facebook. Para ver a entrevista completa acesse http://bit.ly/2bEzNpJ

publicidade

Segundo Marcos Arruda, as soluções para os principais problemas de Osasco foram debatidas no programa Osasco 50 anos, em 2012, quando foi lançado um livro com índices sociais e metas para a cidade atingir em diversas áreas, como saúde, educação e mobilidade urbana. “Tudo o que a cidade precisa está no livro”, disse.

O candidato falou também sobre o crescimento vertical da cidade, principalmente com os novos prédios de escritórios e hotéis na região central. Para ele, o município não está cobrando como deveria as contrapartidas por parte dos empresários. “Cada novo empreendimento tem que dar contrapartida para a cidade”.

Arruda diz ser contra a construção do novo Paço Municipal, por não considerar uma prioridade para a cidade. Ele cita problemas na área da Saúde e acredita não ser necessário um novo prédio para a prefeitura.

Rede
Também com atuação como pastor evangélico, o candidato diz que o partido aceita a diversidade e evita se posicionar o espectro político. “A Rede não é partido de evangélicos, nem partido de esquerda, nem de direita. Na Rede cabe todo mundo”, afirma.

Comentários