Carapicuíba traça perfil de moradores de rua para direcionar políticas públicas

Perfil médio é de homens, dependentes de álcool, com baixa escolaridade trabalhadores informais; Prefeitura quer direcionar políticas públicas para essa população

0
Carapicuíba traça perfil de moradores de rua para direcionar políticas públicas
Abordagem foi feita por uma equipe composta por psicólogo, assistente social e guardas municipais que permanecem nas ruas no período da tarde

Levantamento feito pela Secretaria de Assistência Social e Cidadania e a Guarda Civil de Carapicuíba traçou o perfil de moradores de rua na cidade. Cerca de 100 pessoas foram ouvidas, sendo que 45 utilizam os espaços públicos como moradia. A pesquisa contou com psicólogo, assistente social e guardas municipais que permanecem nas ruas no período da tarde, nos dias 12, 13 e 16 de janeiro.

publicidade

O perfil médio, segundo a pesquisa, são do sexo masculino, sem documentação civil, alcoolistas, baixo índice de escolaridade, trabalhadores informais, com vínculos familiares totalmente rompidos. O tempo médio de situação de rua varia de dez anos a uma semana.

Durante as entrevistas, foi constatado que além da alimentação, as principais solicitações dos moradores de rua foram banho, acesso à documentação civil, emprego e bolsa família.

“Muitas vezes a situação de rua vem acompanhada por dependência química, com problemas de saúde que devem ser tratados de forma peculiar e com muito respeito, visando o acesso dessas pessoas aos serviços públicos essenciais para a sobrevivência” destaca a secretária da Assistência Social, Mirian Vanessa Pires.

publicidade

O objetivo do levantamento é direcionar o atendimento dessas pessoas proporcionando uma reflexão e possibilidade de reconstrução de vínculos familiares que foram rompidos e fragilizados.

Para o secretário de Segurança Major Rubens de Souza Diniz, “essa demanda precisa ser levantada para o planejamento de novas ações e políticas de atendimento ao público que se encontra em situação de rua, evitando assim a violência urbana”.

publicidade

O Instituto Raízes, entidade mantenedora do Bom Prato, também contribuiu com a ação, permitindo ao público que reside nas ruas, tomar café da manhã e almoço, gratuitamente, no local.

Comentários