Cartas na mesa para eleição que promete ser acirrada em Osasco

0

Rumo à urna// Convenções oficializam candidaturas em disputa ainda totalmente indefinida

publicidade

As convenções partidárias no último final de semana oficializaram as candidaturas à prefeitura de Osasco. Celso Giglio (PSDB), Claudio Piteri (PPS), Jorge Lapas (PDT), Rogério Lins (PTN), Solange Pall (PSOL), Osvaldo Vergínio (PEN) e Marcos Arruda (Rede) vão disputar o Executivo municipal na eleição que terá seu primeiro turno dia 3 de outubro. A campanha começa oficialmente dia 16 de agosto.

Giglio nega estar inelegível e coloca André Sacco como vice

publicidade

1-Giglio (Medium)

O ex-prefeito Celso Giglio (PSDB) lançou sua candidatura em convenção que teve a presença de nomes de peso do tucanato, como o senador Aloysio Nunes Ferreira e o ministro das Relações Exteriores, José Serra. Questionado pela imprensa, Giglio negou que esteja inelegível, como em 2012, quando teve todos os votos anulados. A coligação tem também o DEM e Solidariedade.

publicidade

“Está tudo certo com a documentação. Eleição se ganha no voto, e não com mentiras”, disse Giglio, que classifica sua situação jurídica como “intriga da oposição”. O ex-prefeito está inelegível desde que a Câmara Municipal rejeitou as suas contas de 2004, quando ainda ocupava o cargo. Desde então, seus advogados tentam, sem sucesso por enquanto, reverter a situação na justiça eleitoral.

Esta semana ele teve pedido de liminar negado e continuou inelegível. De acordo com a legislação, gestores públicos com contas rejeitadas pelos tribunais de contas e com a rejeição referendada pela Câmara, ficam inelegíveis.

O PSDB vai sair com uma chapa pura. O vice escolhido é o vereador André Sacco, que chegou a ser cotado como possível candidato. Ao Visão Oeste, Sacco disse que a chapa foi fechada com a intenção de demonstrar preocupação e empenho em solucionar o que considera um dos principais problemas de Osasco: a saúde pública. Isso porque os dois são médicos. “Saúde não é só hospital e posto de saúde. Saúde é qualidade de vida. Embora sejamos o segundo PIB do estado, perdemos em qualidade de vida”, disse o vereador. Ele também se disse confiante no deferimento da candidatura de Giglio pela Justiça Eleitoral.

Em coligação com 17 partidos, Jorge Lapas busca reeleição

4-Lapas2
Candidato do PDT reuniu cerca de 15 mil pessoas em convenção

Com 256 candidatos a vereador e 17 partidos aliados, cerca de 15 mil pessoas compareceram ao campus da Fito, onde o movimento “Somos Todos Osasco” lançou na manhã de sábado, 30, a candidatura à reeleição do prefeito Jorge Lapas (PDT), com o empresário Luciano Camandoni (PTB) como vice. A coligação reúne o PDT, PV, PHS, PMDB, PP, PSC, PRB, PTC, PSB, PT do B, PCdoB, PSD, PROS, PSL, PTB, PSDC e PRTB.

Lapas falou sobre sua trajetória e citou o momento político por que passa o país. “Dá vontade às vezes, quando a gente é fraco, de abandonar a luta e falar ‘eu não sou igual a essas pessoas, que cometem tanta corrupção e se desviam do objetivo principal que é a transformação da sociedade’. Mas nós não temos o direito de fazer isso. As pessoas honestas, trabalhadoras, dedicadas, o lugar delas é aqui na política”, afirmou.

O empresário Luciano Camandoni ressaltou a grande alegria e satisfação em fazer parte do Movimento “Somos Todos Osasco”, e poder contribuir com a cidade. “É uma honra fazer parte deste time que trabalha duro por Osasco. Sei que estão no caminho certo e vou contribuir com o meu melhor para fazer as coisas acontecerem. Tenho ao meu lado um homem de palavra e caráter, que é um exemplo para todos nós”, afirmou.

Entre as autoridades que participaram do evento estiveram os deputados estaduais, Gilmaci Santos e Ângelo Perugini, federais Antônio Bulhôes e Orlando Silva e o presidente nacional do PSDC, José Maria Eymael.

 

Rogério Lins mantém mistério sobre vice

“Não houve consenso em torno do nome do vice”, disse assessoria de Lins
“Não houve consenso em torno do nome do vice”, disse assessoria de Lins

A coligação PTN-PR-PRP oficializou a candidatura a prefeito de Rogério Lins em convenção na tarde de sábado, no Rochdale. No entanto, a expectativa pelo anúncio do vice continua. O nome seria divulgado na quarta-feira, 3, mas a entrevista coletiva acabou sendo cancelada. “Ocorreu uma reunião interna na noite desta terça-feira (2), com o propósito da definição do melhor nome para compor a candidatura majoritária da coligação. Não houve consenso em torno do nome do vice”, informou a assessoria de imprensa do candidato.
O ex-prefeito Francisco Rossi (PR) é o nome mais cotado, já que coordena a campanha e é o principal fiador político de Lins, podendo contrapor possíveis críticas em relação a uma suposta inexperiência do candidato.

Rogério Lins, que tem feito reuniões nos bairros intituladas “Repensar Osasco”, falou sobre os principais problemas da cidade e disse: “Vamos reconstruir nossa cidade”. O candidato falou de diversos temas e apontou problemas, como, por exemplo, a segurança. Lins prometeu mais investimento na área e ampliação do efetivo da Guarda Civil Municipal.

Entre os presentes à convenção, além de Rossi e sua filha, Ana Paula Rossi, a deputada federal Renata Abreu (PTN).

“É momento de novas ideias”, diz Claudio Piteri

Piteri diz que áreas da Saúde  e Educação são prioridades
Piteri diz que áreas da Saúde e Educação são prioridades

Claudio Piteri (PPS) oficializou sua candidatura a prefeito de Osasco em convenção realizada no domingo, 31, na Câmara Municipal. O vice dele é Délbio Teruel (PMN), que abriu mão de ser candidato à prefeitura para apoiá-lo. A coligação reúne ainda o PPL.

Em entrevista ao Visão Oeste, Piteri disse que resistiu às sondagens para ser vice em outra chapa e manteve a candidatura porque “é momento de apresentar novas ideias para a cidade”. “Este sentimento que tenho de que a gente pode apresentar um projeto novo para a cidade que me motivou a manter a candidatura, buscar essa aliança com o Délbio Teruel, que é uma aliança importante”, declarou.

Sobre as propostas para Osasco, Piteri disse que as áreas prioritárias são Saúde e Educação. “A área da Saúde é um problema sério, precisa fazer o que existe funcionar. Há uma rede grande na cidade, mas que não funciona. Na Educação, começar a discutir a jornada integral na cidade, que não existe, discutir a ampliação do horário das creches até às 20h”, afirmou.

Além disso, declarou o candidato do PPS à prefeitura de Osasco, “mobilidade urbana precisa ser bem discutida na cidade, criando uma política mais organizada”. Piteri afirmou ainda que pretende aumentar o salário do funcionalismo.

Petista Valmir Prascidelli oficializa candidatura a prefeito com ataques a adversários

Prascidelli e o vice, Gustavo Anitelli / Fotos: Leandro Conceição
Prascidelli e o vice, Gustavo Anitelli / Fotos: Leandro Conceição

O PT oficializou, em convenção na manhã de domingo, 31, a candidatura do deputado federal Valmir Prascidelli a prefeito de Osasco. O vice na chapa é o produtor cultural Gustavo Anitelli, também filiado ao partido.
O evento teve a participação dos presidentes nacional e estadual do partido, Rui Falcão e Emidio de Souza, ex-prefeito de Osasco.
Eleito como vice-prefeito de Jorge Lapas (PDT) em 2012, Prascidelli disparou críticas ao atual prefeito, que concorre à reeleição, e aos demais candidatos na disputa à prefeitura osasquense: Celso Giglio (PSDB) e Rogério Lins (PTN).

Prascidelli declarou que obras e projetos executados pela gestão de Lapas foram realizadas graças a recursos destinados pelo governo federal, com Lula e Dilma Rousseff na presidência, ou foram planejados por Emidio quando era prefeito, de 2005 a 2012.
Em referência a Giglio, o petista definiu como um “candidato do passado”. “Não queremos voltar ao passado, quem fica na Assembleia Legislativa há muitos anos e não traz conquistas para a cidade”, criticou. O ex-prefeito Giglio é deputado estadual.
Prascidelli também acusou Rogério Lins de ser um “candidato oco, sem conteúdo”.

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFrases da semana
Próximo artigoSolange Pall levanta bandeiras do PSOL na eleição de Osasco