Casa Civil mantém o Conselhão inativo

0

Mas o primeiro passo para um governante legitimar seu mandato é assumir que não é propriedade sua e sim de um conjunto de forças sociais, econômicas e políticas por ele representadas. Quando governos deixam de ser representativos, caem ou limitam-se a empurrar seu mandato com a barriga.

publicidade

A legitimação de um mandato se dá quando governantes se abrem para os setores sociais. E essa abertura só é eficaz se feita de forma organizada e institucionalizada.

Daí não se entender a pouca atenção dada até agora a um instrumento consagrado de participação social: o CDES (Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social) ou Conselhão.

publicidade

Criado há dez anos, Conselhão já foi uma secretaria com status ministerial, já foi vinculado à Secretaria de Relações Institucionais, já foi vinculado à Secretaria de Assuntos Estratégicos. No período Lula, tornou-se uma referência internacional para os grandes pactos nacionais e para oxigenação do governo.

É um organismo de participação já testado, com conselheiros já escolhidos, fórum ideal para discutir pacotes, aprimorá-los e conquistar adesões.

publicidade

Dilma Rousseff nunca foi fã de trabalhos participativos. Sua visão de gestão é a do gerente tradicional, das empresas tradicionais, que decidia sem ouvir e não admitia questionamentos.
Uma curva ABC – método que permite identificar as opções mais adequadas – colocaria o CDES no primeiro plano das prioridades presidenciais.

Não tem custos, permite uma interlocução ampla com os mais variados setores e não implica em nenhum risco político.

Dilma nunca mostrou interesse pelo Conselhão. O desinteresse se manifestava nas poucas plenárias ocorridas no seu mandato e no diálogo internacional, com outros países que adotaram o modelo.
Desde o ano passado, quando foi colocado na Casa Civil, o Conselho desapareceu. Em fevereiro passado, os conselheiros foram informalmente convidados para um novo mandato. Mas até agora não houve a renovação.

Houve ordens expressas do Ministro Aloisio Mercadante para que o Conselhão se abstivesse de qualquer atividade, justamente no período em que a interlocução política tornou-se peça essencial para a manutenção da governabilidade.

No fundo, as duas grandes vulnerabilidades de Dilma são a absoluta impermeabilidade a qualquer forma de participação externa e o aprofundamento da recessão, com toda a dose de desgaste político que traz.

Ontem, no Senado, o presidente do Banco Central Alexandre Tombini reiterou que o banco irá valer-se do que for necessário para trazer a inflação de volta para o centro da meta ainda em 2016.

Significa, na melhor das hipóteses, derrubar o PIB em mais de 5% em dois anos.

O governo não tem fôlego político para bancar essa conta. Se tivesse, a conta não teria viabilidade econômica, pois significaria derrubar o nível de atividade e, com ela, a arrecadação. Se tivesse viabilidade econômica, não teria a financeira, porque ajustue fiscal nenhum equilibra uma dívida bruta crescendo a mais de 20% ao ano, por conta dos níveis da Selic.

Não é o golpismo inconsequente da oposição que derrubará Dilma. Se cair, será pelo desânimo dos defensores da legalidade.

Luís Nassif, jornalista

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCATI Bela Vista recebe reformas na área da piscina
Próximo artigoO líder, enfim, perdeu