Crise no Unifieo: há três meses sem salários, professores fazem greve

0

Há três meses sem receber salários, os professores do Centro Universitário Fieo (Unifieo) entram nesta sexta-feira, 25, no 16º dia de greve. A instituição diz ter sido afetada pela crise econômica que o país enfrenta, que teria causado aumento da inadimplência de alunos, e redução da adesão de novos estudantes.

publicidade

A folha de pagamento dos professores é de R$ 1,6 milhão, enquanto a inadimplência, segundo a instituição, é de R$ 6 milhões. De acordo com o jornal Valor Econômico, a Fieo tem faturamento de R$ 48 milhões, com um deficit de R$ 12 milhões e uma dívida de R$ 14,5 milhões com o Bradesco.

Em assembleia, professores definem rumos da mobilização / Foto: Reprodução
Em assembleia, professores definem rumos da mobilização / Foto: Reprodução

O grande imbróglio da universidade é uma contingência tributária de cerca de R$ 300 milhões, que está na Justiça há mais de 20 anos tentando manter a imunidade tributária. O ativo imobiliário da Fieo está penhorado nesse processo judicial e é avaliado em R$ 350 milhões.

publicidade

De acordo com o Sindicato dos Professores de Osasco e Região (Sinprosasco), a universidade demitiu mais de 70 professores em junho e não deu previsão de acerto das rescisões até agora. O órgão tem realizado assembleias com os docentes toda semana. A próxima está agendada para segunda-feira, 28.

“Nossa greve é uma medida extrema, após outras não terem obtido resultados”, afirma Ricardo Aparecido Dias, professor na instituição.

publicidade

“O sentimento é de que todas as ações necessárias foram ignoradas e, agora, à beira de um abismo, a missão de resgatar a Fieo foi colocada pela reitoria nas mãos dos seus alunos-clientes”, acrescentou um aluno do terceiro ano de administração de empresas, em carta enviada à redação.

Suposto leilão do acervo de obras

Um leilão de obras de artes que seriam do Centro Universiário Fieo (Unifieo) é realizado no site no site de leilões Tableau Arte & Lei. Quadros como “A Mulata e o Violão” de Di Cavalcanti e “Casal com Bicicleta” de Juarez Machado foram leiloados em outubro, por exemplo. A assessoria do Unifieo diz que as obras leiloadas não são da instituição.

Esse mês, como parte do acervo da universidade, há obras como “Composição”, de Tomie Othake, e “Cabeça de Cristo”, de Rubem Valentim, com valores de R$ 2 mil e 15 mil, respectivamente.

De acordo com a assessoria da universidade, os quadros não são da Fieo, apenas a descrição foi retirada do acervo. Uma assessora disse que o dono do site de leilões é, inclusive, amigo do dono da instituição de ensino.

O Acervo Fieo de Artetem quase 1.800 obras, entre pinturas e esculturas e é um dos maiores da região. Ele está distribuído pelos três campi da Instituição, onde pode ser apreciado livremente. As obras também estão presentes em três prefeituras de municípios vizinhos, com 90 obras em regime de comodato.

Comentários