Deputados da região votam pela cassação de Eduardo Cunha

0
“Impeachment atesta lisura dos meus atos”, diz Cunha

Prascidelli afirmou que a cassação vira “a página dessa trágica história do deputado Eduardo Cunha no parlamento brasileiro, na política nacional”
Prascidelli afirmou que a cassação vira “a página dessa trágica história do deputado Eduardo Cunha no parlamento brasileiro, na política nacional”

publicidade

Os dois deputados federais da região, o osasquense Valmir Prascidelli (PT) e a barueriense Bruna Furlan (PSDB) estão entre os 450 parlamentares que votaram pela cassação do ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). A votação também teve dez votos contra cassar o mandato de Cunha e nove abstenções – veja aqui como votou cada deputado.

Prascidelli afirmou que a cassação vira “a página dessa trágica história do deputado Eduardo Cunha no parlamento brasileiro, na política nacional”.

publicidade

A cassação de Cunha põe fim a um dos mais longos processos a tramitar no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, que se arrastava por 11 meses e interrompe o mandato de um dos políticos mais controvertidos dos últimos anos. Com o resultado, Cunha perde o mandato de deputado e fica inelegível por oito anos. Cunha é acusado de omitir a propriedade de milhões de dólares em contas no exterior. Ele nega.

Bruna Furlan também votou pela cassação do ex-presidente da Câmara dos Deputados / Foto: Alex Ferreira/Câmara dos Deputados
Bruna Furlan também votou pela cassação do ex-presidente da Câmara dos Deputados / Foto: Alex Ferreira/Câmara dos Deputados

O agora ex-deputado também faz parte de uma lista de políticos suspeitos de integrarem o esquema de corrupção e pagamento de propina envolvendo a Petrobras e investigado na Operação Lava Jato. Em uma das denúncias, o ex-consultor da empresa Toyo Setal Júlio Camargo relatou à Justiça Federal do Paraná que Cunha lhe pediu propina de US$ 5 milhões.

publicidade

Em pronunciamento após a decisão da Câmara, Eduardo Cunha declarou que a cassação de seu mandato é uma “vingança” por ele ter aceito o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. “Eu estou pagando o preço de ter o meu mandato cassado por ter dado continuidade ao processo de impeachment”.

Comentários