Início Trabalho Direitos do trabalhador durante período eleitoral

Direitos do trabalhador durante período eleitoral

0

Analisaremos alguns direitos dos trabalhadores durante as eleições:
– Dia de eleição: os dias de eleição são considerados feriados – e não apenas domingos. (art. 380 do Código Eleitoral). O trabalho em tal dia deve ser pago em dobro, e há o direito a receber uma folga, como compensação pelo trabalho no feriado. E se o acordo ou convenção coletiva tiver previsão de adicional de hora extra para os feriados, este é aplicável: “os dias destinados às eleições presidenciais (…)devem ser considerados como feriado nacional. Assim, tendo em vista o disposto na convenção coletiva, é devido o pagamento desses dias trabalhados com acréscimo de 110%.” (TST – RR-2000-81.2007.5.15.0099).
– Comerciários: o trabalho em dia de eleições depende de previsão em acordo ou convenção coletiva (Lei 10.101/2000).
– Direito ao voto: o empregador é obrigado a liberar o funcionário no tempo necessário para votar, sem qualquer desconto. O art. 297 do Cód. Eleit. prevê que quem “impedir ou embaraçar o exercício do sufrágio” será detido por até 6 meses. E não pode ser o trabalhador influenciado pelo empregador para a filiação a partido ou para votar (ou não votar) em determinado candidato.
– A opção ideológica ou partidária não pode ser objeto de pergunta pelo empregador quando da seleção, nem pode ser critério para promoção ou despedida.
– Liberdade de expressão: o trabalhador pode manifestar livremente suas convicções políticas dentro da empresa, desde que não cause constrangimento indevido a colegas ou clientes.
– Broches de natureza política podem ser usados pelos trabalhadores, exceto em situações excepcionais, nas quais haja um claro prejuízo à atividade da empresa.
Conclusão: o trabalhador também é um “cidadão dentro da empresa”; como ensina M. Túlio Viana, a empresa não é um “território livre, onde o empregador é o chefe e senhor.” Ou seja: quando você, trabalhador ou trabalhadora, entra em seu local de trabalho, continua sendo um cidadão pleno, e os seus direitos não ficam guardados no vestiário da empresa. Se algum direito seu foi violado, denuncie a seu sindicato e ao Ministério do Trabalho e Emprego.

publicidade

Maximiliano Nagl Garcez – advogado e consultor de entidades sindicais; diretor para Assuntos Legislativos da Associação Latino-Americana dos Advogados Laboralistas (ALAL)

publicidade

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDos carrinhos de rua às doguerias gourmet
Próximo artigoEducar para a Sustentabilidade