“Doria é um sujeito de marketing”, critica Emidio

2
emidio
Emidio de Souza (PT)

Um dos principais nomes da oposição na Assembleia Legislativa, o deputado estadual Emidio de Souza (PT), ex-prefeito de Osasco, definiu o governador João Doria (PSDB) como “um sujeito de marketing”, durante entrevista coletiva na manhã desta quinta-feira (27). Para Emidio, “as ações [de Doria] são mais voltadas a que resultado de marketing vão ter”.

publicidade

O ex-prefeito de Osasco criticou a intensificação dos projetos de privatizações e o, segundo ele, estímulo à letalidade policial. “Outra característica [do governo Doria] é um endurecimento na segurança pública, uma polícia mais dura, com mais ‘licença para matar’. Ele estimula, premia, policiais que matam. É um governo comparado ao que há de mais atrasado no mundo”.

Sobre o apoio popular ao endurecimento da ação policial, Emidio avaliou como “natural” e defendeu que o campo progressista apresente alternativas na segurança pública.

publicidade

“A população quer respostas para a crise de segurança público, no que está certa. A crise da segurança pública é uma crise que apavora as pessoas. Quem tem mais recurso arruma algum jeito de se proteger. Quem acaba sofrendo é o cidadão que é assaltado, tem o celular tomado no ponto de ônibus, é levado o dinheiro do salário dele… As pessoas vivem se apegando a qualquer solução”, analisou. “Se o campo mais democrático não for capaz de oferecer uma solução para a questão da segurança, o que aparece é assim, quanto mais duro melhor. Isso é uma coisa absolutamente ineficiente no mundo inteiro”.

“É uma coisa mais de efeito de marketing, e o Doria é um sujeito de marketing, a história dele é essa, a área de atuação dele é essa. Então, as ações são mais voltadas a que resultado de marketing vai ter”, continuou Emidio. “Por exemplo, quando ele premia policial que mata, ele está fazendo uma ação de marketing; dá armas mais potentes para a polícia, está fazendo uma ação de marketing, o resultado disso é nada em termos de proteção da população”.

publicidade

“Polícia mais eficiente não é uma polícia que mata mais”

Para o ex-prefeito de Osasco, uma alternativa mais eficaz na área da segurança pública seria maior investimento em prevenção e investigação. “Não acreditamos nesse modelo. Tem que ter uma polícia mais eficiente. Polícia mais eficiente não é uma polícia que mata mais, é a que evita que as coisas aconteçam”.

“Pode ter mortes em confronto? Pode. Mas, primeiro, ela não deve ser comemorada. Não há vitória quando morre alguém. Mas aí falam: ‘mas é bandido…’ No mundo inteiro, isso é atraso. Então, [o ideal é] polícia mais eficiente, com uma capacidade científica maior, uma capacidade de solução de problemas muito maior”, emendou o deputado estadual.

“Se o campo mais democrático não for capaz de oferecer uma solução para a questão da segurança, o que aparece é assim, quanto mais duro melhor. Isso é uma coisa absolutamente ineficiente no mundo inteiro”.

Emidio avaliou ainda que “São Paulo, apesar de ser a polícia mais moderna do país, continua com um vergonhoso índice de que menos de 10% dos homicídios têm autoria descoberta”.

“Não há investimento em preparo científico da polícia. Então, precisamos de mais rigor científico, mais capacidade de análise, polícia investigativa maior”, completou o deputado petista.

Comentários

2 COMENTÁRIOS

  1. PARABENS DEPUTADO EMÍDIO DE SOUZA!!!CONCORDO COM VOCÊ…O PREFEITO ROGERIO LINS RECEBEU APOIO DO JOÃO DORIA PORÉM NAS ELEIÇÕES ROGERIO LINS APOIOU O OUTRO CANDIDATO E O JOÃO DORIA NEM PERCEBEU ISSO ASSIM COMO LINS RECEBEU APOIO DOS:ALKCMIM,CELSO RUSSOMANO,MARCELINHO CARIOCA,CLÁUDIO PITERI,DELBIO TERUEL,CELSO GIGLIO,ALEX DA ACADEMIA,FRANCISCO ROSSI,EMPRESAS,COMERCIANTES,ETC…MAS LAPAS TEVE UM CONSIDERÁVEL NÚMERO DE VOTOS LUTANDO QUASE SOZINHO CONSIDERANDO O NÚMERO DE ABSTENÇÕES…ABRAÇÃO EMÍDIO

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTombamento de carreta complica trânsito no Rodoanel na tarde desta quinta
Próximo artigoPesquisa mostra empate entre os que consideram governo Bolsonaro bom, ruim e regular