Doria ignora decreto de Bolsonaro que inclui academias e salões de beleza como serviços essenciais durante pandemia

0
Doria ignora decreto de Bolsonaro que inclui academias e salões de beleza como serviços essenciais durante pandemia

O governador João Doria (PSDB), anunciou, nesta quarta-feira (13), que não vai seguir o decreto do presidente Jair Bolsonaro, que inclui academias, salões de beleza e barbearias como serviços essenciais durante a pandemia do novo coronavírus (covid-19).

publicidade

“Aqui em São Paulo, o governo respeita e ouve o secretário de Saúde e o comitê de Saúde. Eles nos indicam que não temos condições sanitárias seguras de academias, salões de beleza e barbearias neste momento. Respeitamos todos os profissionais, mas o nosso maior respeito por eles é garantir a sua vida, sua saúde”, declarou Doria.

O estado de São Paulo tem 51.097 casos confirmados do novo coronavírus, com 4.118 mortes confirmadas até esta quarta-feira (13), segundo dados divulgados pelo secretário de estado da Saúde, José Henrique Germann.

publicidade

O decreto que amplia as atividades essenciais em todo o país e libera barbearias, salões de beleza e academias para funcionarem durante a pandemia foi assinado por Jair Bolsonaro na segunda-feira (11), quando o país atingiu a marca de 11 mil mortes por coronavírus.

A decisão do presidente não passou pelo Ministério da Saúde e pegou o ministro Nelson Teich de surpresa ainda na segunda-feira. Ao ser questionado sobre o decreto, Teich alegou que tal decisão não cabe à pasta. “É o Ministério da Economia que decide isso. A decisão de atividades essenciais é uma coisa definida pelo Ministério da Economia”, repetiu o ministro.

publicidade

Até terça-feira (12), o país registrou 12,4 mil mortes com confirmação do novo coronavírus. Um aumento de 7,6% em relação ao dia anterior, quando foram contabilizados 11.519 falecimentos pela covid-19, de acordo com boletim divulgado pelo Ministério da Saúde.

Comentários