Editorial: Sopa de letras

Imagine a situação do eleitor, que vê diariamente partidos se degladiando no Congresso Nacional, mas, muitas vezes, abraçados nas cidades.

0

No emaranhado de legendas que compõem o sistema político brasileiro, fica cada vez mais difícil ao eleitor distinguir quem é quem. As ideologias (sim, ainda existem, mesmo que camufladas) se perdem em alianças totalmente sem sentido. Nas eleições municipais fica mais evidente que as alianças são apenas uma sopa de letras.

publicidade

Imagine a situação do eleitor, que vê diariamente partidos se degladiando no Congresso Nacional, mas, muitas vezes, abraçados nas cidades. A busca de alianças sem base em programas de governo têm sido comum tanto à esquerda como à direita.
Soma-se a isso a falta de compromisso dos filiados com as direções partidárias. Cada vez mais, há apenas o projeto de poder de lideranças locais, desconectadas do que representam seus partidos.

Na semana que vem será instalada na Câmara dos Deputados uma comissão especial para debater novamente a reforma política. Importante acompanhar o debate acerca das coligações. O senador Cristovam Buarque (PPS-DF) apresentou proposta de proibir os partidos de realizarem coligações no primeiro turno das eleições para presidente da República, governador e prefeito. Pode ser uma boa opção para reforçar as linhas programáticas de cada legenda.

publicidade

Deve haver nova tentativa para instituir o voto em lista, onde cada partido disponibiliza os nomes e o eleitor vota na lista e não em um deputado ou vereador específico. Outra opção é o voto misto, com escolha de um partido e de um candidato.
A classe política precisa se conscientizar que, sem uma reforma, o desinteresse pela democracia vai continuar aumentando.

publicidade

Comentários