Em Barueri, governo do estado autoriza início das obras do Projeto Tietê III

0
Geraldo Alckmin discursa em Barueri ao lançar terceira fase de projeto de despoluição do Tietê / Foto: Edson Lopes Junior

Geraldo Alckmin discursa em Barueri ao lançar terceira fase de projeto de despoluição do Tietê / Foto: Edson Lopes Junior
Geraldo Alckmin discursa em Barueri ao lançar terceira fase de projeto de despoluição do Tietê / Foto: Edson Lopes Junior

publicidade

William Galvão

Na quarta-feira, 19, o governo do estado de São Paulo autorizou o início das obras da terceira etapa do Projeto Tietê, que tem por objetivo a despoluição do rio e de outros córregos da Região Metropolitana. Cerca de 5 milhões de pessoas serão beneficiadas nas cidades de Arujá, Barueri, Itaquaquecetuba, São Bernardo do Campo, Suzano e Capital.

publicidade

Serão gastos R$ 756 milhões em coleta e tratamento de esgoto. Atualmente acontecem 564 intervenções, em 27 municípios. A previsão é que até 2020, a Sabesp e o governo possam garantir a universalização no acesso à água potável, coleta e tratamento de esgotos na região.

Em Barueri, as obras prometem passar de 72% para 87% de cobertura na coleta de esgoto, e de 30% para 80% no tratamento de esgotos. “Isto é respeito ao saneamento básico, recuperação dos rios, dos peixes, da vida, promoção do turismo e principalmente saúde para a população”, disse o governador Geraldo Alckmin (PSDB).
No município serão instalados o coletor-tronco Dom José e o interceptor Tietê ITi-4. Com custo de R$ 28 milhões, 70 mil moradores dos bairros Chácara Marco, Jardim dos Camargos, Jardim Tupancy, Jardim Esperança, Jardim Silvestre e Vila Porto terão seus esgotos enviados para tratamento.

publicidade

Projeto Tietê
O projeto teve início em 1995 e tem prazo de 25 anos para terminar. A fase III pretende ampliar a coleta de esgoto na Região Metropolitana de São Paulo de 85 para 87%, o tratamento de esgotos dos atuais 72 para 84%, vazão de esgotos tratados nas estações de tratamento de 16 mil litros por segundo para 21 mil, além de reduzir a carga orgânica no Rio Tietê ao montante da Barragem de Pirapora.

 

Comentários