Em semana de caos elétrico, Eletropaulo é multada em R$ 3,7 milhões

0

Amador Aguiar ficou mais de oito horas sem energia, o que colocou bebês em risco / Foto: Reprodução
Amador Aguiar ficou mais de oito horas sem energia, o que colocou bebês em risco / Foto: Reprodução

publicidade

Em uma semana marcada por quedas de energia elétrica que afetaram cerca de 800 mil clientes, segundo a AES Eletropaulo, alguns por mais de três dias, a concessionária foi multada em R$ 3,7 milhões pelo Procon.

Punição ocorreu por queda de energia em maternidade

A punição ocorreu devido à demora no restabelecimento da energia no Hospital Municipal e Maternidade Amador Aguiar, na zona Norte de Osasco, que ficou sem luz por mais de oito horas entre a noite de segunda-feira, 5, e a madrugada de terça, 6, deixando bebês internados na unidade em risco.

publicidade

Na ocasião, a direção do hospital e servidores da manutenção de obras alegam ter realizado 12 ligações à AES Eletropaulo para pedir à empresa o restabelecimento da energia.
Esta semana, moradores de cidades como Cotia, Itapevi, Embu das Artes e das zonas Sul e Oeste de São Paulo chegaram a ficar mais de três dias sem energia elétrica. Em Osasco, diversos bairros ficaram sem luz nesta quinta, 15, entre eles a região da Vila Yara.

A AES Eletropaulo afirmou que o problema ocorreu por danos, como quedas de árvores sobre a rede elétrica, causados pelas fortes chuvas que afetaram a região.
Em diversas áreas, moradores afetados pela interrupção no serviço realizaram protestos, como nos bairros do Butantã e Pompéia, em São Paulo.
Outros usaram as redes sociais para protestar: “36 horas sem energia no Portal Santa Paula [em Cotia]. Desrespeito total da Eletropaulo”, postou um internauta.

“Serviço da Eletropaulo estava bem precarizado”, critica Lapas / Foto: Eduardo Metroviche
“Serviço da Eletropaulo estava bem precarizado”, critica Lapas / Foto: Eduardo Metroviche

publicidade

Iluminação pública deve melhorar com gestão municipal, diz prefeito

Desde o início do mês as administrações municipais passaram a ser inteiramente responsáveis pelo serviço de iluminação pública. Em Osasco, segundo o prefeito Jorge Lapas (PT) está em fase final uma licitação para a escolha da empresa que ficará responsável pelo serviço. Até lá, equipes da Secretaria municipal de Serviços e Obras atuarão na área.
Lapas e o secretário de Obras, Carlos Baba, criticam o serviço que era prestado pela AES Eletropaulo, que sempre foi alvo de críticas por deixar diversas áreas às escuras por longos períodos, e defendem que a qualidade deve melhorar sob a gestão do munícipio.

“O serviço da Eletropaulo já estava bem precarizado. Ruas da cidade ficavam apagadas por semanas e a gente fazia reclamação, a população reclamava, estava precário. A expectativa é que consigamos oferecer um serviço melhor”, afirma o prefeito. “A gente espera que, qualquer problema que aconteça [com a iluminação pública] em uma rua, em 24 horas a gente consiga dar retorno. A velocidade precisa ser maior do que era [com a Eletropaulo]”.

Os problemas no serviço prestado pela concessionária foram tema de audiências públicas na Câmara Municipal de Osasco.
O secretário de Obras afirma ainda que os pedidos efetuados à AES Eletropaulo até 31 de dezembro devem ser executados pela concessionária. “Todas as reivindicações de antes de 31 de dezembro a Eletropaulo vai ter que finalizar”.

Comentários