À esquerda, prefeito de São Paulo pinta parede de cinza; à direita, o grafiteiro Sipros realiza obra no prédio da Secretaria Municipal de Educação e Cultura de Itapevi

Enquanto o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), começou o mandato apagando grafites de cidade, com muros pintados de cinza, prefeitos da região têm incentivado a prática.

publicidade

Em Itapevi, cujo prefeito é Igor Soares (PTN), o grafiteiro Sipros realiza obra no prédio da Secretaria Municipal de Educação e Cultura.

Além disso, o artista Eduardo Kobra está planejando um novo mural às margens da Rodovia Castelo Branco, altura do km 35, em Itapevi.

publicidade

O paredão terá aproximadamente 151 metros de comprimento e 29 metros de altura.

Osasco

O prefeito de Osasco, Rogério Lins (PTN), já declarou que defende diálogo e possíveis parcerias com artistas de rua, como os grafiteiros. Já as pichações serão combatidas, disse.

publicidade

“As pessoas que se manifestam culturalmente, artisticamente, que têm todo um contexto em cima disso, a gente quer dialogar, chamar essas pessoas para perto”, afirmou Lins.

“[Queremos] detectar esses nichos, esses coletivos, e falar: ‘olha, aqui nós vamos fazer um evento, você não quer fazer um painel que retrate a história do bairro, a história desta obra, a história da cidade?’ Todo mundo merece respeito, todo mundo merece espaço, merece ser ouvido, valorizado”, completou o prefeito de Osasco.

Lins ressaltou ainda que “o vandalismo, quem quer deixar a cidade suja, nós não vamos aceitar, vamos combater”.

Comentários

1 COMENTÁRIO

  1. Como vocês são desonestos. A briga comprada por Dória não é contra grafites e sim contra pichações. A distinção é fácil, porém a cegueira ideológia impede.
    A estratégia do Dória é baseada no ensaio “broken windows” que James Q. Wilson e George Kelling publicaram na revista “Atlantic Monthly” em meados de 1982 em que dissertam que condições de desordem só geram mais desordem. Exemplo: um bairro onde os edifícios estão degradados; as janelas quebradas; os muros cobertos de pichação são ninhos potenciais de marginalidade e crime.

    A primeira coisa a fazer é consertar o bairro; é não tolerar que ele seja vandalizado novamente; é punir a pequena delinquência para evitar que ela se transforme em grande delinquência.

    O ensaio de Wilson e Kelling, e a ação posterior de Giuliani e Bratton, revolucionou o combate ao crime. Não apenas em Nova York, mas em todas as cidades americanas onde a estratégia foi seguida.

    Mais: a experiência da “tolerância zero” não se limitou a cidades americanas. Na Europa, essa intransigência com os pequenos delitos acabou por ser recompensada na Holanda, na Inglaterra, na Itália. O pequeno crime e o grande crime são diruptores da vida social. E o primeiro é a antecâmara do segundo.

    Mídia tendenciosa demais!

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui