Estudantes seguem com protestos, mas investigação é barrada

1
São Paulo - Alunos de escolas técnicas estaduais protestam contra desvios de merenda escolar e contra os cortes nos Centros de Ensino Técnico (Rovena Rosa/Agência Brasil)

São Paulo - Alunos de escolas técnicas estaduais protestam contra desvios de merenda escolar e contra os cortes nos Centros de Ensino Técnico (Rovena Rosa/Agência Brasil)
São Paulo – Alunos de escolas técnicas estaduais protestam contra desvios de merenda escolar e contra os cortes nos Centros de Ensino Técnico (Rovena Rosa/Agência Brasil)

publicidade

Máfia da Merenda //Estudantes param a av. Paulista em manifestação que pede a apuração e punição dos responsáveis por desvios na compra de merenda escolar

Alunos de escolas estaduais e escolas técnicas protestaram na quarta-feira, 20, na avenida Paulista, pela investigação dos desvios de recursos na merenda escolar. Enquanto isso, na Assembleia Legislativa (Alesp), a base do governador Geraldo Alckmin (PSDB) manobrou mais uma vez para impedir as investigações.

publicidade

Na terça-feira, 19, a Comissão de Educação e Cultural da Alesp previa a análise de requerimentos convocando os envolvidos na chamada Máfia da Merenda. No entanto, o líder do PSDB, deputado Carlão Pignatari pediu novo prazo para análise, postergando por semanas a decisão. Uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o escândalo também não obteve até agora o apoio necessário na Assembleia.

“Depois de a convocação ser aprovada em Comissão, os requeridos são obrigados a comparecer, esta é a preocupação dos tucanos. A estratégia de convocar as autoridades para as Comissões é uma segunda tentativa de levar a população uma investigação equilibrada e transparente da Máfia da Merenda, mas até isso a bancada do governo tenta impedir. Nossa primeira opção foi a CPI, mas até agora, por conta da blindagem do PSDB, não passamos de 23 assinaturas”, disse o deputado Geraldo Cruz (PT).

publicidade

Outro deputado com base na região, Marcos Neves (PV) anunciou que assinou o pedido de abertura de CPI, apesar de compor a base aliada do governo Alckmin. “Acredito que é preciso investigação e esclarecimentos sobre o tema”, escreveu em seu perfil no Facebook.

Uma força-tarefa da Polícia Civil e do Ministério Público investiga, na Operação Alba Branca, deflagrada no dia 19 de janeiro, um esquema de fraude na compra de merenda escolar de prefeituras e do governo paulista. Segundo o Gaeco de Ribeirão Preto, as fraudes na contratação da merenda, ocorridas entre 2013 e 2015, chegam a R$ 7 milhões, dos quais R$ 700 mil foram destinados ao pagamento de propina e comissões ilícitas. Entre os políticos citados em delação está o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Fernando Capez (PSDB).

Comentários

1 COMENTÁRIO

  1. Assim que a Polícia Civil descobriu a máfia da merenda o governador Geraldo Alckmin determinou apuração imediata e punição exemplar aos envolvidos, seja quem, ou de que partido for. A Corregedoria do Estado, a Polícia Civil e o MP já avançaram bastante nas investigações. A população tem que cobrar dos deputados agilidade que também agilizem as investigações na Alesp.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorJandira libera 350 mil para projetos culturais
Próximo artigoNovas regras facilitam uso do FGTS na compra de imóveis