Ex-prefeita de Jandira é suspeita de envolvimento em esquema

0
Casas de Anabel e mais oito pessoas foram alvos da Opreação Iraxim, da Polícia Federal / Foto: Joícÿ Costìm

Casas de Anabel e mais oito pessoas foram alvos da Opreação Iraxim, da Polícia Federal / Foto: Joícÿ Costìm
Casas de Anabel e mais oito pessoas foram alvos da Opreação Iraxim, da Polícia Federal / Foto: Joícÿ Costìm

publicidade

A ex-prefeita de Jandira, Anabel Sabatine (PSDB), é suspeita de envolvimento em um esquema de desvio de verba da merenda escolar no município. Na terça-feira, 25, a Polícia Federal fez buscas de provas nas casas dela e de outros oito suspeitos, na Operação Iraxim, que teve a participação de 60 policiais federais.

Na casa de Anabel foram apreendidos R$ 25 mil

O inquérito policial teve início em agosto de 2012, último ano da gestão de Anabel. De acordo com a PF, as investigações apontam que a dispensa de licitação era uma estratégia usada para a contratação direcionada de determinadas empresas e o superfaturamento de preços das merendas em alguns casos chegou a 200%. Em apenas quatro contratos – que somam R$ 5 milhões – há indícios do desvio de mais de R$ 2,5 milhões, diz a PF.
PF-JandiraNa casa de Anabel, foram apreendidos pela PF o equivalente a quase R$ 25 mil em notas de euro. O marido dela Hermann Falcão, declarou, pelo Facebook, que o valor é compatível com a renda da ex-prefeita. “Uma médica que trabalha em três empregos pode ter esse valor”.

publicidade

Falcão afirmou ainda que ele e a ex-prefeita estão “colaborando ao máximo para qualquer tipo de investigação”. “Estamos profundamente chateados por ser pré-condenados por uma indução de quem assim vê na TV [e] sempre dispostos a explicar e mais do que nunca provar a legitimidade de cada contrato”, disse Falcão.
Segundo a PF, os investigados pela Operação Iraxim responderão pelos crimes de peculato, corrupção passiva, corrupção ativa e fraudes em licitações, cujas penas variam de dois a 12 anos de prisão.
Anabel Sabatine administrou Jandira entre 2010 e 2012, após o então prefeito Braz Paschoalin (PSDB) ter sido assassinado.

Prefeitura diz colaborar com a PF

publicidade

Anabel Sabatine é antecessora do atual prefeito, Geraldo Teotônio da Silva, o Gê (PV), que não é suspeito de envolvimento com o esquema investigado. Em nota a atual administração afirmou que “está colaborando com a PF na apuração dos fatos que envolvem a Operação Iraxim”.

“O inquérito da PF teve início em agosto de 2012 para investigar dispensas de licitações com suspeitas de superfaturamento de preços na aquisição de alimentos destinados à merenda escolar, durante o governo da ex-prefeita Anabel Sabatine”, explica a atual administração.
“A PF obteve livre acesso a todos os documentos e informações solicitados. O atual prefeito de Jandira, Geraldo Teotônio, determinou a imediata abertura de uma sindicância administrativa para averiguar os fatos apontados pela operação”, completa a nota.

Untitled-2

Comentários