Fito atrai empresas e quer mais três cursos superiores para 2015

0
Presidente da instituição, Rubens Aniz, quer abrir novos cursos de engenharia / Foto: Fernando Augusto

Presidente da instituição, Rubens Aniz, quer abrir novos cursos de engenharia / Foto: Fernando Augusto
Presidente da instituição, Rubens Aniz, quer abrir novos cursos de engenharia / Foto: Fernando Augusto

publicidade

Fernando Augusto

A Fundação Instituto Tecnológico de Osasco (Fito) tem chamado a atenção de empresas interessadas em seus cursos técnicos. O presidente da instituição, Rubens Gonçalves de Aniz, diz que há um intercâmbio com as empresas para colocação dos alunos no mercado de trabalho. O resultado é que 92% dos alunos em cursos técnicos estão ou em estágio ou até já como trabalhadores efetivos nas empresas. “E os outros 8% não estão trabalhando porque optam por só estudar para o vestibular”, diz Rubens.

Cursos técnicos são destaque

publicidade

Atualmente, a Fito oferece cursos técnicos em quatro áreas: informática, eletrônica, construção civil e administração. “Hoje o ensino técnico da Fito vai muito bem. Temos um pool de empresas que vêm buscar os nossos estagiários, das melhores empresas possíveis da região e de fora. A Rede Globo tem vários alunos nossos, a ABB, Diebold, Gtronic, IBM, Ascoval”, comemora o presidente.

Além de buscar os alunos, algumas empresas têm se interessado em instalar laboratórios na Fito. Essas empresas querem trazer os equipamentos para a instituição para ter a garantia de que os alunos formados nos cursos técnicos vão trabalhar para elas ao final do curso. É o caso da Ascoval, indústria especializada na concepção e fabricação de válvulas, com sede em Barueri, que está montando um laboratório dentro da Fito.
“Temos propostas de outras empresas também para montagem de laboratórios. Existe uma em negociação para montagem de laboratório de telecomunicações. As empresas estão procurando formação de mão de obra especializada e quem está fornecendo isso é a Fito”, diz Rubens Gonçalves de Aniz, que assumiu o cargo em setembro do ano passado. Ele destaca também que os cursos técnicos da instituição têm carga horária de 4 mil horas, “quando a exigência legal é de 2 mil”.

publicidade

Ensino superior
Atualmente, a Fito tem 2.068 alunos na educação básica, 400 na faculdade e 405 no conservatório musical, outra tradição da instituição.
No ensino superior já existem os cursos de contabilidade, economia, engenharia elétrica, pedagogia e música. Para 2015 há planos de abrir mais três novos cursos: engenharia de produção, engenharia civil e engenharia da computação. A Fito só aguarda a autorização do Ministério da Educação (MEC), após ter enviado os projetos pedagógicos para esses novos currículos. “Assim o meu aluno técnico em edificações, por exemplo, fechará um ciclo com o curso superior em engenharia civil”, explica Rubens Aniz.

Dívida não impede melhorias

Nos últimos anos, a Fito tem sido muito comentada devido à dívida que a instituição carrega. O presidente Rubens Aniz diz que a dívida não impede a melhoria e ampliação dos cursos. “Hoje já existe um horizonte de equalização dessa dívida. A Prefeitura trabalha num projeto junto à Caixa Econômica Federal de pagamento da dívida do FGTS. Ainda temos a dívida do INSS, que estamos estudando para poder resolver”, afirma.

Comentários