Inscrições para o Fies se encerram na quarta-feira (12)

0
inscrições fies
Os resultados serão divulgados no dia 26 de fevereiro / foto: divulgação

As inscrições para o Fies (Fundo de Financiamento Estudantil) vão até quarta-feira (12). Neste semestre, o programa vai ofertar 70 mil vagas nas instituições privadas de ensino superior.

Os interessados devem se inscrever neste link. Os resultados serão divulgados no dia 26 de fevereiro.

Candidatos com renda familiar de até três salários mínimos por pessoa devem se inscrever na modalidade com “Fies juros zero”. Já os estudantes com renda familiar por pessoa de até cinco salários mínimos, devem optar pelo P-Fies (Programa de Financiamento Estudantil).

Publicidade

Mudanças

O Comitê gestor do Fies realizou mudanças no programa em dezembro do ano passado. Mas, de acordo com o Ministério da Educação (MEC) afirma que as alterações só entrarão em vigor a partir do segundo semestre de 2020.

Uma das mudanças é a possibilidade de cobrança judicial dos contratos firmados até o segundo semestre de 2017 que tenham dívida mínima de R$ 10 mil. O ajuizamento deverá ser feito após 360 dias de inadimplência na fase de amortização, ou seja, do pagamento em parcelas dos débitos.

Hoje, a cobrança de quaisquer valores é feita administrativamente. A partir da resolução aprovada pelo comitê, só continua a se enquadrar nesse campo quem dever menos de R$ 10 mil. O devedor e os fiadores poderão ser acionados.

Para o P-Fies, o comitê definiu independência em relação ao Fies, para “dinamizar a concessão do financiamento nessa modalidade”. Não haverá exigência do Enem como pré-requisito (hoje, é idêntico ao do Fies) e nem será imposto limite máximo de renda (atualmente, é para alunos com renda per capita mensal familiar de até cinco salários mínimos). Também será possível contratar o P-Fies durante todo o ano.

O comitê também aprovou o plano trienal 2020 – 2022 para o Fies. Nele, as vagas poderão cair de 100 mil em 2020, para 54 mil em 2021 e 2022, caso não haja alteração nos parâmetros econômicos atuais.

Com informações de Agência Brasil

Comentários