Irmãos com doença rara conseguem transplante de coração com diferença de 48h

0
irmãos recebem transplante de coração em 48 horas
Os jovens receberam novos corações em 48 horas de diferença / Foto: Hospital das Clínicas de Botucatu/Divulgação

Os irmãos Gustavo e Paloma, de 18 e 19 anos, receberam transplante de coração no mesmo fim de semana. Os jovens, que têm uma doença cardíaca rara chamada Doença de Danon, conseguiram encontrar dois doadores compatíveis e receberam os novos corações no período de 48 horas.

publicidade

Eles são moradores de Garça, no interior paulista, e passaram pelo procedimento no Hospital das Clínicas de Botucatu. Gustavo foi o primeiro a receber o coração, que chegou direto do Paraná na sexta-feira (9). Já no domingo (11), enquanto ele se recuperava da cirurgia na UTI, sua irmã conseguiu outro doador compatível.

O coordenador clínico do programa de transplante cardíaco do HC da Unesp, Marcello Felício, afirma que a Doença de Danon tem um componente genético que é passado por parte materna. “Essa doença acomete o coração, causando uma hipertrofia do músculo cardíaco. O músculo fica mais espessado e, em alguns casos, o coração pode também dilatar. Está associado a arritmias graves e muitos pacientes apresentam também morte súbita”, explica.

publicidade
irmãos recebem transplante de coração
Foto: Hospital das Clínicas de Botucatu/Divulgação

A mãe dos jovens, Noeli Rodrigues de Souza, que também é transplantada, perdeu um filho de 15 anos com a mesma doença no ano passado. “Como passei por um óbito dentro de casa, eu tinha muito medo de ver mais dois, então esse milagre que aconteceu dentro desses sete dias foi tremendo para mim. Até a medicina ficou abismada com o que aconteceu. No meio de uma pandemia aparecer dois corações assim para os dois irmãos, foi muito lindo, não canso de agradecer”, declarou, emocionada.

De acordo com Noeli, os filhos estão bem e se recuperam na UTI do Hospital das Clínicas de Botucatu.

publicidade

OPORTUNIDADES// Confira vagas abertas no Hospital Sino Brasileiro, em Osasco

Comentários