Itapevi aprova licença maternidade de seis meses

0
Medida beneficia mamães e bebês, dizem especialistas / Foto: Eduardo Metroviche

Medida beneficia mamães e bebês, dizem especialistas / Foto: Eduardo Metroviche
Medida beneficia mamães e bebês, dizem especialistas / Foto: Eduardo Metroviche

publicidade

William Galvão

O Projeto de Lei (88/13) que aumenta o tempo de licença maternidade das servidoras do município de Itapevi de 120 para 180 dias foi aprovado pela Câmara dos Vereadores na última semana. De autoria do Poder Executivo, o tema vem circulando em outros documentos na Casa desde 2008, quando foi criado pelo governo federal o programa Empresa Cidadã, que concede isenção fiscal a empresas privadas que adotarem a licença maternidade estendida.

Na região, apenas Osasco e Cotia não oferecem 180 dias

publicidade

De acordo com o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Itapevi (Sindiservita), Claudio Fernandes Beserra, a medida já deveria ter sido implantada. “É clinicamente muito importante para a mãe e para o bebê, por conta principalmente do aleitamento materno”, explica.

Segundo ele, “mesmo a contragosto de alguns, a licença maternidade de seis meses traz mais benefícios para a administração pública do que para a servidora. O município vai ter menos problemas com faltas, já que após os seis meses a mãe poderá colocar o filho numa creche, por exemplo”.

publicidade

Cidades que ainda não aderiram à medida justificam que ela poderia comprometer o orçamento municipal. “Isso é falácia porque o número de servidoras gestantes não chega a 20% na maioria dos municípios, financeiramente falando não compromete”, diz Claudio.

Além de Itapevi, outras cidades da região também já aderiram à medida. Carapicuíba e Pirapora do Bom Jesus, desde 2009, Barueri, desde 2011, Jandira, desde 2008, e Santana de Parnaíba, que aprovou projeto esse ano. Osasco concede seis meses de licença às servidoras apenas em caso de nascimento prematuro.

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorA beleza do manequim 46
Próximo artigoMP pressiona contra comissionados