Início Cidades Livro fala sobre modificação corporal

Livro fala sobre modificação corporal

0

Obra aborda aspectos históricos e sociais  / Foto: Divulgação/Go Carvalho
Obra aborda aspectos históricos e sociais / Foto: Divulgação/Go Carvalho

publicidade

Leandro Conceição

O livro-reportagem Corpo ao Extremo – A nova face de uma cultura modificada (Editora In House), das jornalistas Nathalia Abreu – ex-repórter do Visão Oeste – e Priscila Soares, é considerada a primeira obra do gênero a abordar jornalisticamente a cena da modificação corporal ‘extrema’ no Brasil.

publicidade

O livro mostra um pouco do cotidiano, como são vistas e como se sentem as pessoas que alteram seus corpos por meio de intervenções levadas a um nível mais extremo do que os já conhecidos e popularizados piercings e tatuagens.

Ex-repórter do Visão Oeste é uma das autoras

A obra surgiu como um trabalho de conclusão de curso na faculdade de jornalismo. “Sempre há na mídia abordagens vagas sobre a modificação corporal, sem muita pesquisa, aprofundamento”, avalia Nathalia Abreu.
“Nossa maior preocupação foi tratar o tema com seriedade e distanciamento e passar conhecimento sobre as práticas, a questão do preconceito, entre outras questões principais, tanto para pessoas leigas neste assunto quanto a pessoas inseridas no meio”, afirma.
Nathalia Abreu explica que “a maioria das práticas na verdade nada mais representam do que releituras, adaptadas à nossa realidade e aos avanços tecnológicos, do que já era feito em sociedades primitivas, como alargar lóbulos, septos e lábios, e a suspensão corporal”.

publicidade

“Significados”
Ela lembra que iniciativas como pintar o cabelo, colocar silicone, também são formas de modificação corporal. “Muitas vezes são práticas até mais agressivas ao corpo do que algumas modificações que falamos no livro. O gosto das pessoas muda e o que é bonito também. Isso vai se adaptando com o tempo, sem que a gente perceba”.
Fã das modificações, a jornalista por enquanto só tem alargadores na orelha. Nos planos, “algumas tatuagens”. “As alterações corporais que ainda tenho em mente são um processo que quero levar com calma e dedicação. Os significados para mim são muito importantes”.

DIVULGACAO-14Adeptos ignoram o preconceito da sociedade

Nathalia Abreu avalia que, em geral, a sociedade ainda não está acostumada e discrimina os adeptos da modificação corporal. “Entretanto, essas pessoas não costumam se importar com julgamentos pré-concebidos ou olhares reprovadores nas ruas”.
Sobre o preconceito no mercado de trabalho, a autora analisa que “pode atrapalhar, mas na maioria das vezes quem modifica o próprio corpo de uma maneira mais extrema sabe o que está fazendo, as implicações que pode ter na vida profissional”.
“Você pode perceber que muitas destas pessoas trabalham dentro da própria modificação corporal, com piercing e tatuagem, por exemplo”.

Saiba mais

Corpo ao Extremo – A nova face de uma cultura modificada
Editora In House – 146 páginas
R$ 31,90

Pode ser comprado pela internet nos sites de livrarias, como a Cultura

facebook.com/LivroCorpoAoExtremo

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEvento celebra 22 anos da Lei de Cotas
Próximo artigoChevrolet lança Tracker em outubro