Luciano Leite: Ninguém voltará para a senzala!

Luciano Leite: Ninguém voltará para a senzala!

0
Compartilhar

Fruto de um processo de luta e resistência do povo negro, a Lei Áurea foi assinada há 130 anos, concedendo liberdade àquelas pessoas escravizadas e colocando um ponto final na escravidão no país, que vigorou por cerca de três séculos.

Publicidade

No entanto, infelizmente, o Brasil, continua sendo o país dos contrastes, onde o rico cada vez fica mais rico e o pobre cada vez fica mais pobre!

Há seis meses, a Reforma Trabalhista, aprovada por um governo ilegítimo, modificou mais de cem pontos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e abriu brechas que consideram como condições legais aquelas que antes caracterizavam o trabalho análogo ao escravo.

O trabalho intermitente, por exemplo, possibilita que o trabalhador não tenha horário fixo e ganhe apenas pelas horas trabalhadas. Ou seja, o trabalhador deve ficar a disposição da empresa durante todo o mês e conta com a possibilidade de ganhar menos do que um salário mínimo, não conseguindo suprir suas necessidades vitais básicas e de sua família.

O negociado sobre o legislado, também permitido pela Reforma, prevê que o patrão possa negociar direitos diretamente com o trabalhador, quando os acordos poderão se sobrepor às leis da CLT, e sem a mediação do Sindicato. A medida deixa o trabalhador nas mãos da empresa, que aceitará qualquer acordo para não ficar sem emprego, incluindo práticas do trabalho escravo. A Reforma permite também que essas negociações coletivas ampliem a jornada de trabalho para 12 horas diárias e 36 de descanso. No entanto, jornadas longas se tornam exaustivas e colocam em risco a integridade física e psicológica do trabalhador.

Publicidade

Trabalhadoras em locais insalubres, redução do horário de descanso, homologação sem fiscalização dos direitos trabalhistas e diversos outros pontos colocam em evidência que voltamos para tempos sombrios, onde o trabalhador não passa de um objeto, de uma mercadoria que serve para enriquecer ainda mais o patrão!

Continuamos a lutar por um Brasil que valorize seus trabalhadores e mudaremos o rumo que nosso país está tomando! Nas próximas eleições, daremos voz para nossa indignação e ao nosso repúdio a essas medidas contra o próprio povo brasileiro! Vamos votar em quem ergue a nossa bandeira! Enquanto isso, continuamos resistindo e lutando pelos nossos direitos! No Brasil, ninguém voltará para a senzala!

Luciano Leite, Secretário-geral do Sindicato dos Comerciários de Osasco e Região – Secor

Compartilhar




Comentários