Medo de Dentista? Conheça tratamentos alternativos

1

Equipamentos utilizados atualmente causam menos desconforto ao paciente, mas medo persiste / Foto: Banco de imagens/sxc.hu
Equipamentos utilizados atualmente causam menos desconforto ao paciente, mas medo persiste / Foto: Banco de imagens/sxc.hu

publicidade

Willian Galvão

Muito comum, tanto em crianças como em adultos, o medo do dentista é um dos principais fatores que impedem muita gente de ter uma boca saudável. De acordo com a Associação Brasileira de Odontologia, “mais de 27 milhões de brasileiros nunca foram ao dentista por falta de informação ou de acesso”.

Opções incluem até acupuntura e fitoterapia

publicidade

Atualmente, os equipamentos utilizados pela maioria dos dentistas não causam dor como antigamente. Ainda assim, os odontofóbicos não suportam a ideia de entrar em um consultório. Hoje em dia, existem algumas alternativas para quem sofre desse mal, que vão de tratamentos alternativos, anestésicos, a recursos terapêuticos.

O tratamento vibroterápico é uma das opções. Ele é feito através de uma esteira vibratória colocada sobre a cadeira odontológica, que ajuda o paciente a ficar tranquilo. Entre os alternativos, há os que utilizam hipnose, acupuntura, florais de Bach, fitoterapia, homeopatia e laser terapia.

publicidade

O cirurgião-dentista Dr. Aonio Genicolo, conhecido por tratar pessoas famosas, conta que todos os detalhes devem ser pensados nos casos de odontofobia. “No meu consultório alguns programas são proibidos na TV, a gente prefere programas que captem a atenção dos pacientes, por exemplo”. Alguns consultórios têm se especializado nesse nicho e adotaram sistemas como a decoração do ambiente, que influencia o paciente, a cromoterapia, a aromaterapia, músicas relaxantes e até o uso de imagens.

Em casos mais sérios, quando a fobia é extrema, utilizam-se sedativos como calmantes que induzem ao sono, ou ansiolíticos, que agem nos neurotransmissores do cérebro e aumentam a sensação de prazer e euforia. Para esses pacientes muitas vezes é preciso acompanhamento psicológico, até que a pessoa consiga achar um equilíbrio entre o medo e a necessidade de ir ao dentista.

Comentários