Mesmo com falta de água, Alckmin nega racionamento

1
Plano de Alckmin prevê o fechamento de 94 escolas estaduais

A represa Jaguaribe, integrante do Sistema CantareiraFoto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de Vargem
A represa Jaguaribe, integrante do Sistema Cantareira, é uma das atingidas pela estiagem / Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de Vargem

publicidade

Mesmo com a falta de água que atinge a Grande São Paulo, inclusive a região de Osasco, o governador e candidato à reeleição Geraldo Alckmin (PSDB) negou que haja racionamento. Em entrevista coletiva na sede do jornal Diário da Região, em Osasco, neste sábado, o tucano foi questionado pelo Visão Oeste sobre a situação. Ele ressaltou a dificuldade de manter o abastecimento “na maior seca em 84 anos” e enalteceu o uso do volume morto do Sistema Cantareira. “Fizemos as obras em 74 dias e atingimos a primeira reserva técnica [do Cantareira]. Temos uma segunda que não pretendemos utilizar”, disse. Após a coletiva Alckmin voltou a ser questionado pelo editor do Visão Oeste, Jeferson Martinho, sobre o assunto. “Já falei. Não há nenhum racionamento”, afirmou.

Nesta semana uma audiência pública que ocorreria na Câmara Municipal de Osasco para discutir a crise hídrica foi cancelada porque a Sabesp, empresa do governo do estado responsável pelo abastecimento, não enviou nenhum representante. A reportagem também trouxe depoimentos de moradores da região que sofrem com cortes de água nas residências e comércio. Clique aqui para ler.
Alckmin também disse que a Sabesp investiu R$ 9,5 bilhões em quatro anos e que até março vai universalizar o saneamento no interior do estado, e a meta para o litoral é 2016 e da região Metropolitana, 2019.
Ao lado de Aécio Neves, Geraldo Alckmin falou de diversos assuntos. Questionado sobre o alto valor dos pedágios nas rodovias paulistas, elogiou a qualidade das vias, mas admitiu que o governo do estado busca na Justiça equilibrar 12 contratos de concessão para tentar reduzir os valores das tarifas de pedágio e acelerar investimentos das empresas concessionárias. “Ano passado não demos nenhum reajuste e esse ano o reajuste foi menor do que a inflação”, disse.

publicidade
Comentários