MP exige e Câmara de Jandira faz mudanças

1

Presidente diz que pretende promover reforma administrativa / Foto: Jeferson Martinho
Presidente diz que pretende promover reforma administrativa / Foto: Jeferson Martinho

publicidade

Jeferson Martinho
Fernando Augusto

O presidente da Câmara de Jandira, Altamir Cypriano da Silva (DEM), o Mi, diz que devido a exigências do Ministério Público (MP) pretende promover uma reforma administrativa na Casa, com a contratação de funcionários por meio de concurso público.
Outra mudança é a redução no número de carros. Atualmente, cada um dos 13 vereadores têm um veículo. “Agora, acredito que vamos ficar só com três carros”, diz Mi. O motivo seria o mau uso do benefício no passado.

“Alguns vereadores fizeram mau uso dos veículos”, diz Mi

publicidade

Mi também especula sobre a escolha do vereador Julio Eduardo de Lima (PT) como líder do prefeito Gê (PV) no Legislativo. “A gente quer assistir o final desse noivado, que pode virar um casamento lá na frente”.

Visão Oeste: Você deixou o governo da ex-prefeita Anabel Sabatine (PSDB), sua coligação fechou com a candidatura a prefeito de Dr. Sato (PMDB), e agora preside o Legislativo sob o governo do prefeito Gê (PV), principal rival do Sato na eleição. Como é essa composição?
Mi: A sigla partidária tem que ficar em terceiro plano por tudo o que a cidade passou: morte de ex-prefeito e vereador, denúncias. O Gê, por sua vez, já tinha grande experiência no Legislativo. Nós acabamos nos definindo pelo Sato na eleição. O prefeito atual era do PT e rompeu. Por sua vez, grande parte dos aliados do PT estão hoje no governo.

publicidade

O líder do prefeito na Câmara é do PT.
Quem diria que eu ia chegar à presidência da Casa e assistir a essa situação tendo que ser o mediador. Não mediador no sentido de apartar, mas dar um norte para a cidade, junto com o prefeito. Mas hoje eu vejo uma bandeira só: Jandira. Até que me prove o contrário, estamos esperançosos com o prefeito.

Com o apoio do seu partido, o DEM, a Dr. Sato, e depois a eleição do Gê, como foi a articulação para sua eleição à presidência da Câmara?
Me dou muito bem com a classe política. Já fui presidente da Casa em 97/98. Sou vereador pelo quinto mandato. Tem quatro vereadores que já são antigos na Casa e outros dois foram reconduzidos. Isso facilitou bastante, porque uma coisa é você votar numa pessoa desconhecida, que está chegando…eles já me conheciam. O prefeito me procurou quando a gente já estava definido. Só o Julinho e o Zezinho não votaram em mim, por questões partidárias. Agora, o Julinho virou líder. É um negócio para se pensar, não sei se é algum projeto que está sendo traçado para o futuro, do PV e do PT. A gente quer assistir o final desse noivado, que pode virar um casamento lá na frente.

A política de Jandira tem se caracterizado por uma relação muito ruim entre o Executivo e o Legislativo. Até quando vai essa boa relação neste atual governo?
A gente quer mostrar que, tudo aquilo que passou, não levou a lugar nenhum. Todas as outras cidades da região progrediram e tudo de ruim que acontecia era em Jandira. Então, queremos apagar essa imagem ruim. A intenção é tirar o nome da cidade da lama e ver a cidade desenvolver e crescer.

O Legislativo de Jandira tem um histórico de judicialização dos trabalhos. Como é presidir a Câmara que tem essa característica?
Os vereadores e os presidentes que passam se preocupam só com o seu período, não se preocupam com o Ministério Público, o Tribunal de Contas. E hoje essa coisa mudou. Alguns vereadores fizeram mau uso dos veículos, então houve muitas denúncias, veículos em recesso rodando de lá pra cá. Não tinha controle.

“Todas as outras cidades  progrediram e tudo de ruim acontecia aqui”

Era um carro por vereador?
Sim. Agora, acredito que vamos ficar só com três carros, só para a parte administrativa.

Há outras mudanças exigidas pelo Ministério Público?
Na parte administrativa temos que fazer concurso público, pois estão alegando que, muitas vezes, temos um teto x para funcionários efetivos, e o pessoal usa para favorecer os amigos. Então, a gente tem que fazer uma reforma administrativa para adequar algumas coisas.

Essa cobrança toda ajuda ou atrapalha os trabalhos do Legislativo?
Vai de você passar à população qual o motivo que levou a isso. Mas o Executivo precisa fazer a sua parte, porque, muitas vezes, o Legislativo acaba fazendo a parte social. O veículo era desviado para ir a um lugar que deveria ser feito por um carro da assistência social.

Comentários