Nilson Cadeirante apresenta vídeos com versão que poderia inocentá-lo

0
Vereador é acusado de ter ficado com metade do salário de assessor / Foto: Francysco Souza

Na noite da quinta-feira, 13, o jornal Visão Oeste recebeu a informação de que o vereador Nilson Cadeirante (SDD) apresentaria à imprensa, em seu gabinete, na manhã desta sexta-feira, 14, os vídeos que ao longo das últimas semanas vinha afirmando dispor e que mudariam os rumos da investigação sobre seu mandato. Desde o final de janeiro, Cadeirante está sendo investigado por causa de imagens veiculadas pela TV Record denunciando o parlamentar por supostamente ter ficado com parte do salário do ex-assessor Erivelto da Silva Carvalho. As imagens foram gravadas pelo próprio ex-funcionário.

publicidade

Cumprindo a promessa, o vereador não apenas disponibilizou ao Visão Oeste os vídeos que contam, segundo ele, outra versão dos fatos, como concedeu entrevista sobre o caso e apresentou mais documentos. As cópias dos vídeos entregues à nossa equipe e outros jornalistas presentes passaram por edição, mas Nilson garante que entregou o material bruto ao Ministério Público, que iniciou a investigação do caso no dia 28 de janeiro.

Em um dos vídeos, Nilson conversa com Erivelto e o questiona se alguma vez houve divisão de salário com o vereador. O ex- funcionário nega. O jovem ainda diz que sabe os motivos que o levaram a fazer a filmagem e, após um pedido do vereador, compromete-se a fazer uma declaração afirmando que nunca houve partilha do pagamento com o parlamentar. Ainda nas imagens, os dois conversam sobre o irmão do ex- assessor que também teria ajudado Nilson na campanha e, magoado por não ter conseguido um cargo no gabinete, teria espalhado cópias do vídeo pela cidade.

publicidade

Num segundo vídeo Nilson mostra imagens do carro que seria de sua esposa, após a queda em uma ribanceira, num acidente que teria sido causado por Erivelto. O vereador voltou a afirmar que, nas imagens veiculadas pela TV Record, o valor que o ex- assessor entrega a ele refere-se justamente ao conserto do veículo, que teria custado o valor total de R$1.700.

publicidade

 

Vereador acredita em “armação do Presidente”

Segundo Nilson Cadeirante, toda essa situação teria sido uma tentativa de “golpe” contra ele. Para validar sua teoria, o parlamentar disponibilizou um terceiro vídeo em que aparece o presidente da Câmara Municipal, Nequinho Desanti (do mesmo SDD) em reunião com outras pessoas.

Nas imagens não é possível identificar os demais, apesar das legendas indicarem serem também vereadores. A gravação apresenta Nequinho relatando uma conversa com Dr. Rogério (PC do B), vereador a quem teria consultado na condição de advogado. “Se a carta que o senhor pediu para o menino [ex-assessor de Cadeirante] trazer aqui, for aquela carta da denúncia, nós estamos todos encrencados, porque acusa duas coisas ali… não é só do dinheiro, do fantasma… quando pega fantasma, pega funcionário e quando pega funcionário, pega todos nós”, explica Nequinho no vídeo.

Ao final do dialogo o presidente explica a ideia que atribui ao Dr. Rogério, de pedir para o jovem fazer uma carta apenas com a denúncia sobre partilha de dinheiro. “O Dr. Rogério falou: o senhor tem condições de pegar o moleque e ele te fazer outra carta só com a denúncia do vídeo? Falei posso tentar”, disse Nequinho na filmagem.

Ainda de acordo com Nilson, a reunião foi realizada no dia 10 de janeiro. A data é importante porque, segundo o parlamentar, é anterior à veiculação da denúncia, e o presidente Nequinho afirmou diversas vezes à imprensa desconhecer o caso antes da exibição pela TV Record, no dia 24 de janeiro. “Hoje eu quero disponibilizar para vocês um vídeo que mostra o presidente da Casa fazendo toda a armação contra mim”, disparou Cadeirante ao apresentar as imagens.

Procurado pela reportagem do Visão Oeste, Nequinho afirmou que o vídeo é verídico e que a reunião foi realizada para discutir a repercussão da denúncia. “Nós estávamos em recesso e eu convoquei todos os vereadores que estavam na casa para uma conversa na minha sala, pois eu estava preocupado com o Legislativo. Não me lembro a data da reunião e quais eram os vereadores presentes”, relatou.

Sobre a conversa com o Dr. Rogério, ele diz que pediu orientação sobre o caso. “Ele me orientou a apurar a denúncia e que seria bom o menino [Erivelto] fazer uma carta de próprio punho com a denúncia e entregar a Comissão de Ética”, explicou.

Comentários