Nilson Cadeirante diz que é inocente e não vai renunciar

0

Vereador pode ser cassado por Comissão de Inquérito / Foto: Eduardo Metroviche
Vereador pode ser cassado por Comissão de Inquérito / Foto: Eduardo Metroviche

publicidade

Carol Nogueira

O clima esquentou na primeira sessão do ano na Câmara de Santana de Parnaíba, no último dia 4. A razão foi a presença do vereador Nilson Cadeirante (SDD), que é investigado pelo Ministério Público sob suspeita de ficar com parte do salário de um ex- assessor. Dezenas de pessoas compareceram a casa, algumas protestando e exigindo a renúncia de Nilson, outras apoiando o parlamentar.

publicidade

Durante a sessão, Nilson afirmou ser inocente e que não renunciará ao mandato. “Sou o maior interessado em esclarecer esse equívoco, que uma pessoa mal intencionada armou para mim. Eu quero que seja aberta a CEI (Comissão Especial de Inquérito), pois estou disposto a ir até o fim dessa investigação”, disse.

“Não sei qual foi a motivação deste rapaz, que conheço desde criança, me ajudou na campanha e frequentava a minha casa. Mas tenho vídeos com esse rapaz dizendo que nunca dividiu salário comigo e que não deveria ter feito aquela gravação”, completou Nilson.

publicidade

Na sessão, foi indicado outro membro para o lugar de Nilson Cadeirante na Comissão de Ética da Câmara. Ela agora é formada por Amâncio Neto (PSDB), Agnaldo Moreno (DEM) e Alemão da Banca (SDD), substituto de Nilson. A comissão deverá emitir, em aproximadamente um mês, um relatório recomendando ou não a instauração de uma Comissão Especial de Inquérito (CEI) para investigar a denúncia contra Cadeirante.
Se instaurada a CEI para apurar o caso, os parlamentares membros da CEI terão 90 dias para realizar a investigação e apresentar um parecer, que pode levar à cassação do mandato e perda de direitos políticos de Nilson Cadeirante.

O escândalo tornou-se público após matéria veiculada na TV Record com imagens em que um ex- assessor de Nilson Cadeirante supostamente entrega metade do seu salário, de R$3.330 ao vereador. Segundo o ex- funcionário a prática aconteceu durante seis meses. Ele conta que quando se recusou a fazer a partilha no mês de novembro foi demitido e passou a trabalhar no gabinete da Presidência da Câmara.
Após a sessão, Nilson Cadeirante não quis falar com a imprensa. Disse apenas que vai se pronunciar na CEI.

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVereadores reclamam do secretariado
Próximo artigoVisão na Rede