Nilson Cadeirante pode perder mandato

0

Vereador é acusado de ter ficado com metade do salário de assessor / Foto: Francysco Souza
Vereador é acusado de ter ficado com metade do salário de assessor / Foto: Francysco Souza

publicidade

Carol Nogueira

Santana de Parnaíba é palco de um novo escândalo político. Desta vez o cenário é o Legislativo parnaibano. No dia 24, a TV Record veiculou reportagem denunciando o vereador Evanilson Martins, conhecido como Nilson Cadeirante (SDD). Segundo a matéria, durante seis meses o parlamentar teria ficado com metade do salário de um ex-assessor.

Vereador de Parnaíba ainda não se pronunciou sobre denúncia

publicidade

Depois de ter ajudado na campanha do vereador, o ex-assessor – que pediu para ter sua identidade preservada – foi contratado pelo seu gabinete em fevereiro. “Quando ele resolveu ficar com metade do meu pagamento eu achei errado da parte dele, por isso fiz o vídeo com a intenção de denunciá-lo, mas fui convencido por alguns amigos a deixar isso quieto”, relatou.

Segundo o ex-assessor, a filmagem foi realizada em maio, a partir de quando, depois de alguns desentendimentos, Cadeirante teria exigido ficar com metade do salário do funcionário, que recebia um total de R$ 3.330,00. A partilha terminou quando em novembro, mês da primeira parcela do 13°, o assessor se recusou a dividir o pagamento e foi demitido.

publicidade

No mesmo mês da exoneração, o ex-assessor começou a trabalhar na presidência da Câmara. “Na ocasião, eu fui conversar com o [presidente da Câmara] Nequinho [Desanti], disse que a demissão ocorreu por um desentendimento com o Nilson, mas que não podia ficar sem trabalhar. Então, ele me ofereceu serviço no gabinete dele. Só contei sobre a denúncia na semana em que a matéria seria veiculada”, disse o ex-assessor ao Visão Oeste, por telefone.

As imagens foram entregues ao Ministério Público para investigação. O denunciante diz que já prestou depoimento e aguarda o andamento do processo.
Procurado pela reportagem, o vereador Nilson Cadeirante disse apenas que não faria declarações sobre o episódio.

Câmara deve instaurar Comissão Especial de Inquérito

Em entrevista coletiva realizada no dia 29, o presidente da Câmara de Santana de Parnaíba, Nequinho Desanti (SDD) informou que na segunda-feira, 3, a Comissão de Ética da Casa – formada pelos vereadores Amâncio Neto (PSDB) e Agnaldo Moreno (DEM) deve se reunir e nomear mais um membro, já que o terceiro integrante atual é o próprio Nilson Cadeirante.

Na sessão de terça- feira, 4, será apresentado o pedido de instauração da Comissão Especial de Inquérito (CEI).Os acontecimentos da primeira sessão da Câmara vão determinar o andamento do caso.
Nilson Cadeirante pode passar pelo processo de investigação para se defender na própria Câmara e encarar a possibilidade de cassação do mandato e perda de direitos políticos. Se o parlamentar renunciar antes da formação da CEI, responderá apenas a processo criminal.

No caso de renúncia, quem assume é o suplente Paulino Bispo de Oliveira, o Vermelho (PDT), segundo Nequinho.
Este não é o primeiro escândalo de projeção nacional que abate o Legislativo parnaibano. Em 2012, o vereador Hélio Fernando de Carvalho, o Professor Hélio (PCdoB), renunciou após ser acusado de envolvimento em um esquema de venda de diplomas de conclusão do ensino médio.

Parlamentar é afastado e pode ser expulso do partido

O presidente estadual do partido Solidariedade, David Martins, informou em nota que o vereador Nilson Cadeirante ficará afastado por 90 dias para conseguir provar sua inocência.
Por telefone ao Visão Oeste, declarou que “as imagens são claras e apenas isso bastava para que ele fosse expulso do partido, mas a Constituição prevê que todos têm o direito de se defender. Então, ele fica afastado. É também o tempo de a CEI e Ministério Público investigarem o caso”.

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorLei do Mercúrio
Próximo artigoA Copa e a arena eleitoral