O grito de socorro da Educação

0

Em qualquer esfera do poder público, qualquer que seja o porte da unidade ou a amplitude dos serviços, a comunidade põe a boca no trombone quando o assunto é problema no atendimento de saúde. E isso é salutar, porque impulsiona os gestores a buscarem soluções.

publicidade

Enquanto isso, uma área igualmente prioritária e estratégica agoniza silenciosa, clamando por socorro há anos. Com a autoestima corroída por décadas de sucateamento no Estado de São Paulo, os professores da rede estadual esboçam uma greve que mobiliza gatos pingados e não ecoa na grande mídia, não incomoda o patrão e, pior, não encontra grande apoio na população.

A situação é parecida em vários estados brasileiros. A greve em São Paulo se soma a outros 21 estados e, em boa parte deles, a reivindicação é o cumprimento do salário mínimo nacional da educação, instituído por Lei Federal, de R$ 1.567,00.

publicidade

Greve não ecoa na grande mídia e não encontra grande apoio na população

Ao mesmo tempo, cruzam os braços os professores da rede municipal de São Paulo. As condições e a adesão são distintas, mas a ação é sintomática e continua a ser preocupante que o poder público tenha protelado tanto o enfrentamento verdadeiro desse tema, atrasando a única alternativa que de fato contornar a situação: a valorização dos profissionais.

E valorização não é apenas salário. É oferecer condições dignas de trabalho, combater a violência dentro das escolas, a redução da superlotação das salas, incentivar a formação continuada, entre outras medidas.
Mas para isso, o grito da educação precisa primeiro ser ouvido pela sociedade. Enquanto pais, alunos e usuários do serviço não tomarem consciência do prejuízo a longo prazo que a situação lhes causa, continuará faltando força aos profissionais do ensino.

publicidade

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorO que Afif achava de Dilma numa conversa de bar
Próximo artigoFrases