O momento crítico da segurança pública de SP

1

A segurança pública de São Paulo passa por um momento crítico. Nos últimos dias de 2012, é cada vez mais preocupante a escalada de violência no maior estado do país. Uma série de mortes e ataques a policiais cresceram assustadoramente. Até novembro foram mais de 400 mortes, das quais mais de 90 policias foram assassinados, e mais de 600 tentativas de homicídio. O governador mudou o secretário de segurança, mas a violência não dá trégua. São Paulo vive um momento delicado e a população está amedrontada.

publicidade

Para reverter esse cenário não há formula mágica. Primeiro é fundamental investir bem os recursos do estado em segurança pública. Diferente do que está ocorrendo. O governo tem economizado nesse setor tão problemático, como revelou o levantamento realizado pela nossa assessoria da liderança da bancada do PT na Assembleia e publicado pelo Jornal Folha de S. Paulo (matéria publicada no caderno Cotidiano do dia 29/11). Os dados colhidos no Siafem (sistema de acompanhamento da execução orçamentária) “mostram que a Secretaria da Segurança Pública empenhou (comprometeu) até a semana passada (penúltima semana de novembro) R$ 195,2 milhões dos R$ 437,9 milhões do Orçamento”. Ou seja, o governo deixou de gastar quase 55% da receita com segurança pública.

É valido ressaltar que somente recursos financeiros não são capazes de diminuir a criminalidade, mas uma boa gestão aliada às ações públicas eficientes podem trazer bons resultados. Como, por exemplo, ações e políticas públicas feitas em conjunto com o governo federal. Até outubro de 2012, o governador se negava a fazer tal parceria.

publicidade

É preciso ainda aprimorar os mecanismos de inteligência, preparar e pagar melhor os trabalhadores. Além de tudo isso, as polícias necessitam atuar em parceria com a comunidade, e as políticas de segurança pública devem estar alinhadas às políticas sociais, e, é claro, é preciso fechar o cerco ao crime organizado, impedindo que os bandidos usem equipamentos de comunicação para coordenar ataques violentos aos cidadãos paulistas.

São medidas que podem reduzir a criminalidade e pôr fim a esse momento assustador que vive a capital e a região metropolitana de São Paulo. E os deputados estão à disposição para auxiliar o governador nesse processo.

publicidade

 

Marcos Martins

Deputado estadual e presidente da Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa de São Paulo

Comentários

1 COMENTÁRIO

  1. Onde vamos parar com tudo isso?Como ainda podem pensar em eeeglr um homem que “tinha um Cle1udio Lembo” como vice?Nota-se que o rei da sobrancelha este1 perdido, querendo que o mandato acabe logo… Que vice e9 esse?E o pior e9 que a Elite apf3ia o tal pe1ssaro tucano, imagine o que seria do Brasil com um ser que ne3o lembra nada mais do que algo feito por chuchu!

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBanqueiros e ricaços contra o Brasil de Dilma
Próximo artigoSistema prisional a caminho do colapso