O silêncio e mais razões para protestar

0

O transporte coletivo, desta vez especificamente sobre trilhos, deve voltar à berlinda e fazer ecoar novos protestos no Estado São Paulo. Ao menos é a promessa do Movimento Passe Livre (MPL), uma das organizações da sociedade civil que atuou como estopim das manifestações que nas últimas semanas reverberaram em todo o país. A razão central do ato marcado para 14 de agosto – em conjunto com o Sindicato dos Metroviários – ainda é o custo da passagem (de Metrô e da CPTM), mas sob um enfoque diferente: o do quanto poderia ser menor o valor se não estivesse montado o suposto “propinoduto” (como está sendo chamado) das empresas que controlam as obras no setor.

publicidade

Há suspeita de desvio de até R$ 400 mi para políticos ligados ao governo do PSDB

O caso veio à tona através de revelações de um funcionário de uma das empresas, a multinacional Siemens, durante investigação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE). O Conselho apurava indícios de formação de carteis nas licitações. Agora, há suspeita de desvio de até R$ 400 milhões em propinas para políticos ligados ao governo do PSDB, além de diretores da CPTM.

Segundo as contas do MPL, o preço das passagens poderia ser de apenas R$ 0,90 se o dinheiro do esquema realmente tivesse sido investido no transporte público. A diferença é significativa, sim, mas está claro que, mais do que pelo valor em si, o protesto será um desabafo dos organizadores e um chamamento à população, já que, até agora, exceto pela matéria inicial da revista IstoÉ, o assunto tem recebido atenção apenas marginal da grande mídia. E, com razão, as entidades consideram esse silêncio preocupante, já que o esquema tem potencial para ser um dos maiores escândalos de corrupção dos últimos tempos.

publicidade

Comentários

publicidade

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFrases
Próximo artigoCharge