Opinião: Por uma rede de proteção às famílias

Opinião: Por uma rede de proteção às famílias

0
Compartilhar

Por Maria José Soares Bonetti*

Neste mês de maio, tive a honra de apresentar o ponto de vista da 56ª Subseção Osasco da Ordem dos Advogados do Brasil no Seminário Municipal sobre a Família, promovido pela Câmara Municipal de Osasco. O evento foi aberto oficialmente na segunda-feira (13).

Além de uma iniciativa louvável e necessária nos tempos atuais, considero altamente simbólico que esse importante evento tenha sido realizado exatamente no mês das mães. Está claro que nossa evolução social e cívica nos fez compreender, aceitar e abraçar novas e diferentes estruturas familiares. Mas também é um fato universalmente aceito o papel das mães como símbolo da força, resistência e união das famílias.

Publicidade

E isso é fator preponderante para nos conduzir a uma reflexão sobre a necessidade de prover formas de fortalecer essa coesão. Diante da fragilização e vulnerabilidade provocadas pelo crescimento do desemprego, pela escalada da violência e do ódio irracional, deflagrado por questões de gênero, de etnia ou de credo, a família deveria ser o porto mais seguro de cada indivíduo na nossa organização social. No entanto, percebemos que é, ela própria, uma das primeiras vítimas, desencadeando um incontável número de consequências.

A família é considerada o núcleo básico da sociedade, mas enfrenta problemas de desestruturação. E frente a essa constatação, é fundamental que o poder público e a sociedade civil organizada busquem construir uma forte rede de proteção, que permita caminhar rapidamente no sentido de garantir às famílias, sob todas as formas e aspectos, amparo e assistência naquilo que lhes assegura de mais essencial a nossa Carta Magna, a Constituição.

Publicidade

É preciso haver, de forma pragmática e pro-ativa, uma verdadeira união de forças entre instituições oficiais e não oficiais, sociedade civil e agentes públicos para reverter as condições que impõem a desestruturação.

Precisamos iniciar um grande projeto para tratar desse problema dentro do município, mapeando os principais pontos de fragilidade e identificando ações efetivas para alcançar soluções. Somente esse esforço coletivo conseguirá estabelecer políticas e programas eficientes para criar a proteção necessária, na medida em que o problema é absolutamente multifacetado e complexo.

A Ordem dos Advogados do Brasil – 56ª Subseção Osasco, desde sua Direção Executiva até suas comissões temáticas e seus dedicados membros, cumprindo seu papel de exercício da cidadania e defesa da Constituição, está empenhada nesta luta e de portas abertas.

Não há soluções mágicas. Mas não haverá solução alguma se não dermos os primeiros passos. Temos certeza de que, junto com os demais atores sociais da nossa cidade, podemos ampliar as chances de discutir e encontrar alternativas viáveis para consolidar a segurança e o resgate das famílias osasquenses, sobretudo aquelas em condição de vulnerabilidade social.

Maria José Soares Bonetti é advogada, professora, presidente da OAB Osasco – 56ª Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil
Compartilhar

Comentários