Osasco: PM e GCM aumentam fiscalização contra descumprimento da quarentena

1
quarentena osasco
Foto: Marcelo Deck

A Secretaria de Segurança de Osasco aumentou a fiscalização contra o descumprimento da quarentena por festas ou estabelecimentos comerciais. Os que não comercializem produtos considerados essenciais devem permanecer fechados pelo menos até 22 de abril como medida para evitar a disseminação do novo coronavírus (covid-19), conforme decreto estadual apoiado e reforçado pela administração municipal.

publicidade

Reclamações principalmente de bares e festas que têm ignorado a quarentena têm sido comuns em Osasco e região.

Nesta terça-feira (7), equipes da Guarda Civil Municipal apoiaram a Polícia Militar na operação “Juntos por vocês no combate ao coronavírus”. A PM e a GCM reuniram-se em frente à Prefeitura de Osasco para organizar a operação.

publicidade
quarentena osasco

Foto: Sergio GobattiO prefeito Rogério Lins participou ao lado do tenente Rio, da Polícia Militar, e dos secretários José Virgulino (Segurança e Controle Urbano) e Thiago Silva (Comunicação), além do inspetor Vaz e Paulo Henrique, da ROMU.

O prefeito pediu as equipes para basearem-se no decreto, passando orientações aos moradores e idosos em relação ao coronavírus. “Peço que os senhores tentem acalmar a população e alertem sobre o risco de contaminação, informando que a quarentena terá, a princípio, mais 15 dias, seguindo até o dia 22 de abril”, disse Rogério Lins.

publicidade

O governador João Doria declarou, ao anunciar a prorrogação da quarentena em todo o estado: “Nenhuma aglomeração de nenhuma espécie em nenhuma cidade de São Paulo será admitida. As Guardas Municipais ou Metropolitanas deverão agir e, se necessário, recorrer à Polícia Militar para que imediatamente possa haver a dissipação de qualquer movimento ou aglomeração de pessoas. Esta é uma deliberação que deverá ser rigorosamente seguida pela população do estado de São Paulo na defesa de suas vidas e de seus familiares”.

Denuncie

Moradores podem denunciar festas, aglomeração de pessoas e o descumprimento do decreto estadual por parte de bares e estabelecimentos não essenciais por meio do telefone 153, da Guarda Municipal, ou 190, da Polícia Militar.

Comentários