Osaskitto: Mal necessário

Osaskitto: Mal necessário

0
Compartilhar

6-Osaskitto

Ao entrar na UTI Infantil, bem do lado direito, na entrada, sentada em uma cadeira reclinável, estava uma linda menina de seus 10 anos. Olhos negros, que nem jabuticaba que preteja no pé, joelhos um pouco encolhidos – que deixavam o lençol em formato de cabaninha -, cabelos negros e bem curtinhos devido à delicada cirurgia. Estava tão concentrada no joguinho superdivertido no celular em suas mãos que nem o palhaço tirava a sua atenção.

 
Sempre quando realizo alguma festa de aniversário, fico um pouco chateado ao ver tanta criança entretida com um celular na mão. Deve ser o mesmo sentimento que muitos palhaços também sentem, porque de certa forma é um forte concorrente que sempre faz com que a criança não interaja com nada e com ninguém.

Publicidade

 
Mas, em se tratando de uma recuperação cirúrgica em um leito de hospital, o danado do celular veio bem a calhar, porque, ao meu olhar clínico distorcido – embora sendo um simples palhaço brincando de médico – para o momento, ele se tornou uma ferramenta importantíssima de recuperação e entretenimento contra o tédio.

 
E para combinar um pouco mais com o momento “jogos digitais”, encontrei dentro de minha mala um super-hiper-mega óculos de tecnologia de ponta… de estoque: um óculos tipo “Penélope Charmosa”, todo rosa-maravilha, para se contrapor ao cenário sem cor do leito de um hospital.

Publicidade

 
Depois que a mãe da garotinha colocou o óculos rosa em seu rosto, ela parou de jogar, olhou para cima, viu o palhaço e sorriu. “Porque sorrir faz bem e usar o celular adequadamente também!”

 

Rê Silveira é o palhaço Osaskitto, que todas as semanas leva voluntariamente alegria e descontração aos leitos e corredores do Hospital Regional de Osasco. www.osaskittosocial.com / Facebook: Osaskitto / WhatsApp: 9 7498-0752

Compartilhar

Comentários