Paulo Guedes prevê “ano muito bom pela frente” a partir de setembro

0
Ministro da Economia, Paulo Guedes / Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Ministro da Economia, Paulo Guedes / Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou, nesta terça-feira (16), que o Brasil deve superar a crise econômica e de saúde gerada pela pandemia do novo coronavírus a partir de setembro deste ano e seguirá com as reformas.

publicidade

“Acho que lá para setembro, outubro, novembro, nós já estamos num novo país, com ano novo muito bom pela frente. Eu acredito nisso, vamos lutar por isso, manhã, tarde e noite. Estamos lutando por isso e acho que nós vamos conseguir”, disse Guedes durante o seminário virtual Os Reflexos das Decisões Judiciais na Política Econômica.

No seminário, Guedes classificou a crise gerada na economia devido a pandemia do novo coronavírus como uma “bomba biológica”. “As crises econômicas são basicamente tipificadas, conhecidas. Essa foi uma bomba biológica, absolutamente inédita”.

publicidade

Segundo o ministro, a União não poderá arcar com as perdas de receitas dos estados e dos municípios durante a pandemia, com a justificativa de que deixaria “passivos impagáveis” para as próximas gerações.

“A União é uma viúva que não pode ser explorada, onde todo mundo empurra a conta. Parece muito esperto empurrar a conta para a União, mas isso é uma covardia dessa geração com filhos e netos”, declarou Guedes.

publicidade

Contenciosos e reforma tributária

No evento, Paulo Guedes defendeu ainda a aprovação de uma reforma tributária como uma maneira de reduzir “contenciosos inimagináveis” relacionados à tributação, que estariam acima de R$ 1 trilhão, segundo o ministro.

“Quando você tem contenciosos acima de R$ 1 trilhão de um lado e desonerações de R$ 300 bilhões do outro está muito clara a configuração de um manicômio tributário”, afirmou.

Segundo o ministro da Economia, a criação de um “passaporte tributário”, que passaria as empresas para um novo regime ao quitar parte da dívida por meio de um acordo, minimizaria os “contenciosos”.

Comentários