Por meio de sua assessoria, Rogério Lins diz que “nunca fez parte de organização criminosa”

Lins pediu afastamento do cargo de vereador na semana passada e estaria em viagem para fora do país

0
Foto: Divulgação

A assessoria do vereador e prefeito eleito em Osasco Rogério Lins (PTN), em nota de esclarescimento sobre a Operação Caça-Fantasmas, do Ministério Público, que decretou a prisão preventiva do parlamentar, diz que “desconhece as razões que fundamentaram a decisão do Poder Judiciário”.

publicidade

Lins pediu afastamento do cargo de vereador na semana passada e estaria em viagem para fora do país. O MP cumpriu mandatos de prisão preventiva relacionados a outros vereadores. Saiba mais aqui.

NOTA DE ESCLARECIMENTO

O Vereador ROGÉRIO LINS, vem, por sua assessoria, em atenção à imprensa e à sociedade, em virtude das notícias veiculadas nesta data, acerca das operações realizadas pelo Ministério Público, esclarecer que:

publicidade

Em que pese o respeito pelas autoridades constituídas, bem como pelas decisões proferidas, esclarece que desconhece qualquer motivo que pudesse justificar a medida extrema proferida em seu desfavor, até porque tem colaborado intensamente com as investigações do Ministério Público.

Merece destaque o fato de que fora intimado a prestar esclarecimentos perante a 8ª Promotoria de Osasco na data de 22/11/2016, e em flagrante demonstração de comprometimento e lisura, antecipou sua oitiva para a data de 18/11, nutrindo o órgão ministerial de informações relevantes para contribuir com as investigações, demonstrando pormenorizadamente o seu não envolvimento com qualquer ilicitude.

publicidade

Não bastasse isso, todos os funcionários lotados em seu gabinete foram intimados pelo Ministério Público, e apresentaram informações/defesas por escrito, acompanhadas de documentos comprobatórios do fiel desempenho das funções, não havendo qualquer fraude, ou ato ilícito que possa induzir ao conceito de crime.

Tamanha a lisura no trato com a coisa pública, na data de 28/11/2016 licenciou-se das suas funções parlamentares, de acordo com o Regimento Interno da Câmara Municipal e deu ciência ao Ministério Público dos procedimentos adotados, informando, inclusive, que se ausentaria em viagem ao exterior, declinando, ainda, a data de regresso à autoridade.

Por fim, desconhece as razões que fundamentaram a decisão do Poder Judiciário, e que jamais compactuou com qualquer prática lesiva ao patrimônio público e à sociedade. Nunca praticou crime e nunca fez parte de organização criminosa.
Nosso corpo jurídico desconhece as razões que ensejaram a decisão judicial e está preparando as medidas jurídico legais para reversão da medida, por acreditar ser extrema e açodada.

Osasco, 6 de dezembro de 2016.

Emília Cordeiro
Assessora de Imprensa
Prefeito Eleito Rogério Lins

Comentários