Prefeito e vice são cassados pelo TSE

0

O vice-prefeito Borelli (à esquerda) e vereador Elvis Cezar, filho do prefeito / Foto: Eduardo Metroviche
O vice-prefeito Borelli (à esquerda) e vereador Elvis Cezar, filho do prefeito / Foto: Eduardo Metroviche

publicidade

Fernando Augusto

Em sessão de julgamento na noite de terça-feira, 21, o Plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) negou o registro de candidatura de Antônio da Rocha Marmo Cezar (PSDB) à Prefeitura de Santana de Parnaíba. Com isso, o prefeito e seu vice, Oswaldo Borelli (PSDB) terão que deixar o cargo.

publicidade

Com Marmo Cezar cassado, assume interinamente a Prefeitura o presidente da Câmara Municipal, seu filho Elvis Cezar (PSDB). O Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP) deve definir nos próximos dias a realização de nova eleição no município, já que a coligação vencedora foi eleita com mais de 50% dos votos válidos.

Elvis Cezar assume interinamente

O recurso que resultou na negativa do registro foi apresentado por Silvinho Peccioli (DEM), que ficou em segundo lugar na eleição, com 46% dos votos, e a coligação que o apoiou, Santana de Parnaíba Quer Mais.
O argumento usado é que as contas do prefeito eleito foram reprovadas quando ele ainda era presidente da Câmara Municipal de Santana de Parnaíba, em 2000.
A relatora, ministra Laurita Vaz, apontou a ocorrência de improbidade administrativa para negar o registro. Disse que, mesmo com a devolução do dinheiro para os cofres públicos, por imposição do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, isso não afastaria a questão da improbidade administrativa.

publicidade

Suposta irregularidade com R$ 5 mil

Na quarta-feira, 22, o prefeito Marmo Cezar e o presidente da Câmara, Elvis Cezar, falaram sobre o resultado do julgamento. Eles consideraram estranha a decisão, já que em outubro do ano passado a ministra Laurita Vaz havia dado parecer favorável ao registro da candidatura, mas depois mudou sua posição.

A desaprovação das contas do então presidente do Legislativo Marmo Cezar, em 2000, aconteceu por R$ 5 mil, quando vereadores viajaram para um congresso no litoral do estado e não prestaram contas. “Casos idênticos ao meu tiveram outra decisão. O vício é sanável, eu administrava R$ 5 milhões e R$ 5 mil levaram a isso. Isso é inédito no Brasil”, disse Marmo Cezar.

Marmo e Elvis também atribuíram o resultado do julgamento à atuação de um advogado, pela coligação liderada por Peccioli, que é irmão do ministro Henrique Neves da Silva, do TSE. Este, no entanto, devido ao grau de parentesco, não participou da votação. “Após a entrada de um irmão do ministro [na causa] alterou o certame. Mas nós vamos ter outra eleição e aí quem vai julgar é o povo”, disse Elvis Cezar.

Marmo e Borelli não podem concorrer, diz advogado

O advogado Edú Eder de Carvalho, especialista em direito eleitoral, explica que o TRE deve publicar resolução com as regras e data da nova eleição e, a partir daí, podem transcorrer até 80 dias.
“Não poderá participar destas novas eleições o candidato ou chapa que tenha dado causa à anulação da eleição anterior”, explica Carvalho.

Peccioli diz que cidade tem “desgoverno”

Em entrevista ao Visão Oeste, o ex-prefeito Silvinho Peccioli (DEM) criticou Marmo e Elvis Cezar por questionarem a contratação, pela coligação de Peccioli, de um advogado que é irmão de um ministro do TSE.
“Eles tentam desqualificar a corte eleitoral mais alta do país. A instância superior está para dizer em último grau a quem cabe o direito. Não nos cabe ficar fazendo esse tipo de insinuação”, disse, ressaltando ainda que a tese defendida por sua coligação venceu por cinco votos a um no TSE.

Peccioli disse ainda que não sabia da relação de parentesco quando contratou o advogado. Ele lembrou que o advogado contratado pela coligação do PSDB é primo do governador Geraldo Alckmin (PSDB). “Então se minha tese tivesse perdido eu iria dizer que é por isso?”, afirmou.
Sobre uma nova eleição, o ex-prefeito disse que vai buscar unir novamente seu grupo político e atacou a administração. “Cinco meses depois essa administração já mostrou à população que a cidade está perdendo. Não tem mais médicos nos postos, coisas que nunca aconteceram em 16 anos estão acontecendo neste desgoverno”, disparou.

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEx-ministro lança em Osasco livro sobre governo Lula
Próximo artigoPesquisa