Prefeitura entrega reforma de PS Infantil

2
Na unidade, foram realizados serviços hidráulicos, elétricos e pintura, entre outros / Foto: Ivan Cruz/SECOM-PMO

Na unidade, foram realizados serviços hidráulicos, elétricos e pintura, entre outros / Foto: Ivan Cruz/SECOM-PMO
Na unidade, foram realizados serviços hidráulicos, elétricos e pintura, entre outros / Foto: Ivan Cruz/SECOM-PMO

publicidade

Carol Nogueira

Após 90 dias, foi entregue esta semana pela Prefeitura de Osasco a reforma do Pronto Socorro Infantil (PSI) do Hospital Central Antônio Giglio.
Na unidade foram realizados serviços de contenção de infiltração no chão e telhado, hidráulica, rede elétrica, iluminação porcelanas, substituição de portas e pintura, que agora têm figuras de personagens de desenho animado. Realizada com verba da administração municipal, a obra custou R$ 79 mil.

publicidade

A reforma também incluiu a troca de todo mobiliário e aparelhos – iniciativa realizada em todo o hospital.
O pronto socorro atende, em média, 270 crianças por dia, mas o número pode variar de acordo com a época do ano. A unidade agora conta com mais dois leitos para atendimento de emergência e urgência. Na UTI, o número de leitos dobrou, de quatro para oito.

“A cada mês a parte física vai melhorando e vamos continuar avançando para tornar o hospital mais agradável”, disse o secretário de saúde José Amando Mota.

publicidade

Ortopedia
O PS de ortopedia também está em reforma e tem previsão para conclusão em duas semanas.
Em breve o hospital deve passar por um processo de informatização. O objetivo, segundo o secretário Amando Mota, é aumentar o controle sobre a quantidade de medicamentos que entram e saem.

Carência de médicos é problema

Na apresentação da reforma do PS Infantil do Hospital Central à imprensa, na quarta-feira, 16, o secretário de Saúde de Osasco, José Amando Mota, afirmou que um dos principais problemas na saúde é a carência de médicos.
“Um dos fatores que influencia nessa falta de profissionais é o quanto nós podemos pagar. A [falta de] segurança também afasta os médicos”.

De acordo com ele, a Prefeitura prepara um concurso público para a contratação de profissionais da saúde e a implantação de um plano de cargos, carreiras e salários para valorizar os trabalhadores da área.
Em setembro chegaram ao município quatro profissionais por meio do programa Mais Médicos, do Ministério da Saúde. A cidade havia pedido 95.

Comentários

2 COMENTÁRIOS

  1. Bom e para o desenvolvimento de espirito que venha essa nova forma a administracao de saude em destempo, ja que se regra a uniao, e implicante privatizar o conselho aministratvo municipal se tira por um momento a interpretaçao do sus.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNovo aterro sanitário em Osasco aguarda liberação da Cetesb
Próximo artigoVisão na Rede