Prestes a ser preso, João Paulo almoça com apoiadores do PT acampados em frente ao STF

0
"Não é somente através dessas manifestações, mas também da revisão, da busca em organismos internacionais e da própria história que se vai mostrar que isso aqui é uma farsa”, afirmou João Paulo

Agência Brasil

publicidade

O deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP) almoçou nesta segunda-feira, 3, com apoiadores do PT que estão acampados em frente ao Supremo Tribunal Federal (STF) desde novembro do ano passado, quando foram decretadas as primeiras prisões da Ação Penal 470, o processo do mensalão.

"Não é somente através dessas manifestações, mas também da revisão, da busca em organismos internacionais e da própria história que se vai mostrar que isso aqui é uma farsa”, afirmou João Paulo
“Não é somente através dessas manifestações, mas também da revisão, da busca em organismos internacionais e da própria história que se vai mostrar que isso aqui é uma farsa”, afirmou João Paulo

Desde o mês passado, Cunha aguarda a expedição do mandado de prisão por ter sido condenado no processo. Com a volta dos trabalhos do Supremo, ele pode ser preso ainda hoje para cumprir pena inicial de seis anos e quatro meses no regime semiberto.

publicidade

Cunha afirmou que o julgamento no STF foi uma farsa, mas planeja pedir para deixar o presídio durante o dia para trabalhar. Sobre a expectativa da emissão do mandado de prisão, o deputado afirmou que ninguém pode dizer que está preparado para ser preso, mas destacou que tem a consciência tranquila.

“Essa agonia não vai parar enquanto não se estabelecer a verdade. Então, não é somente através dessas manifestações, mas também da revisão, da busca em organismos internacionais e da própria história que se vai mostrar que isso aqui é uma farsa”, afirmou.

publicidade

Cunha comeu arroz, feijão e cozido de carne com mandioca e batatas. Durante o almoço, o deputado recebeu a solidariedade de 20 pessoas que fazem vigília no acampamento.

O deputado também tirou fotos com militantes. Ele preferiu não se manifestar sobre a possibilidade de renunciar ao mandato após ser decretada a prisão. Cunha pretende lançar nesta terça-feira, 4, no mesmo local, uma revista em que rebate as acusações que terminaram com a condenação dele no processo do mensalão.

Os apoiadores do PT estão acampados em uma barraca montada no estacionamento do STF para prestar solidariedade aos integrantes do partido que estão presos e para cobrar o julgamento da Ação Penal 536, o processo do mensalão mineiro, na qual o deputado Eduardo Azeredo (PMDB-MG) é réu.

Um grupo de 40 pessoas faz revezamento para manter o esquema de vigília. Os manifestantes pretendem sair somente após o julgamento dos embargos infringentes, novos recursos da Açâo Penal 470.

O mandado de prisão deveria ter sido expedido no dia 6 de Janeiro, logo após Barbosa rejeitar os recursos apresentados pela defesa de Cunha e encerrar o processo para João Paulo. No entanto, o presidente do Supremo, que também é relator do processo do mensalão, entrou em férias no dia 7 de Janeiro, mas não assinou o mandado.

O documento foi encaminhado para os ministros que ocuparam a presidência interina do STF enquanto Barbosa estava em férias, porém, Cármen Lúcia e Ricardo Lewandowski recusaram-se a assinar a ordem de prisão por entenderem que o ato é atribuição de Barbosa.

De acordo com a assessoria de imprensa do STF, Barbosa não expediu o  documento antes de sair para as férias porque a Secretaria Judiciária do tribunal não conseguiu concluir a documentação antes da viagem.

Comentários