Professoras mostram projetos inovadores

0
Irene Arruda (à esquerda) e Maria Inez, primeira e segunda colocadas no concurso / Foto: Eduardo Metroviche

Irene Arruda (à esquerda) e Maria Inez, primeira e segunda colocadas no concurso / Foto: Eduardo Metroviche
Irene Arruda (à esquerda) e Maria Inez, primeira e segunda colocadas no concurso / Foto: Eduardo Metroviche

publicidade

William Galvão

Foi a partir do conto infantil O Soldadinho de Chumbo, do escritor dinamarquês Hans Christian Andersen, que a professora Irene Vicente de Arruda, da Emeief Profª Zuleika Gonçalves Mendes, em Osasco, resolveu desenvolver um projeto de “Educação Inclusiva”. Com a ajuda de mais cinco professoras, elas montaram um método que busca integrar não só alunos, mas também a escola e os pais.

Concurso “Professor Inovador” premiou iniciativas

publicidade

Para Irene, O Soldadinho de Chumbo parece uma história simples, mas fala de amor, de inclusão, segregação, integração e participação”. Primeira colocada na categoria Inclusão do concurso municipal “Professor Inovador 2013”, realizado dia 19, a iniciativa é considerada um grande passo na luta pela causa. “O Brasil tem avançado no assunto, mas ainda precisamos que escolas, professores e cursos de pedagogia se atualizem”.

O projeto, iniciado em 2012, incluiu seis turmas, uma de Apoio Educacional Especializado (AEE), ministrada por Irene. Cada professora fez sua leitura de três versões do conto e foram desenvolvendo trabalhos como peças, apresentações e outras atividades pedagógicas, sempre trocando informações entre elas e aplicando em sala. “Foi aí que juntamos tudo em um projeto só e a comunidade cedeu espaço pra falarmos sobre isso com todos”, conta.

publicidade

Ela afirma que as mães também precisam ser acolhidas. “Nenhuma mulher engravida para ter um filho especial, muitas vezes elas vêm nos trazer os filhos, mas também não estão bem”. Segundo Irene, “essa mãe, quando ela se sente acolhida o resultado é muito melhor”.

Promessa cumprida
A professora Maria Inez Ferreira, da mesma escola, conquistou o segundo lugar do “Professor Inovador” na categoria Educação de Jovens e Adultos (EJA) com o projeto “Novas Descobertas com Folders de Supermercados”. Os folhetos foram usados pelos alunos em várias disciplinas, mostrando a aplicação, na prática, do que aprendiam na escola.

Com 60 anos, Maria conta que o sonho de lecionar vem da infância. “Em casa só quem podia estudar eram os homens”. Alfabetizada por conta própria, quando ainda criança Inez fez a promessa: “quando eu puder estudar vou ser professora”. E cumpriu a promessa.

Com a sala formada basicamente por domésticas e ajudantes de obra, Inez afirma que “muitos têm vergonha, mas com o passar das aulas, o retorno é nítido”.
E para ela, a parte mais prazerosa do trabalho, “são coisas bem simples, mas que mudam a vida deles. Eles chegam contando que já conseguem pegar ônibus sozinhos ou ir ao banco retirar a aposentadoria sem ajuda de um parente”, conta.

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMP pressiona contra comissionados
Próximo artigoVisão na Rede