PSD deve apoiar Lapas em 2016

0
Lau Alencar, Kassab e Teruel (à direita) em evento de filiação ao PSD em 2013; expectativa era candidatura em 2016

A aproximação do ministro das Cidades, Gilberto Kassab, que é presidente nacional do PSD, à administração Jorge Lapas (PT) em Osasco deve levar os dois partidos a estarem juntos na eleição municipal do ano que vem. Alinhado a Kassab, o PSD de Osasco desistiu de ter candidatura própria à prefeitura, o que provocou a saída de Delbio Teruel do partido e deve levar também o deputado estadual Osvaldo Vergínio a procurar outra sigla.

publicidade
Lau Alencar, Kassab e Teruel (à direita) em evento de filiação ao PSD em 2013; expectativa era candidatura em 2016
Lau Alencar, Kassab e Teruel (à direita) em evento de filiação ao PSD em 2013; expectativa era candidatura em 2016

Além de ser ministro do governo Dilma Rousseff, Kassab já visitou cinco vezes neste ano cidades da região, evidenciando uma parceria principalmente com o prefeito de Osasco, com encontros em inaugurações e no Consórcio de municípios da região, o Cioeste, que é presidido no momento por Lapas.

De acordo com o presidente do PSD de Osasco, Lau Alencar, “existe um namoro antigo” com o PT na cidade. “O ministro tem vindo e ajudado a cidade. Chegamos a ter uma posição de independência [em relação ao governo Lapas], mas com a afinidade do ministro houve uma aproximação natural”, diz Alencar.

publicidade

O líder partidário diz ainda que o principal objetivo da legenda em 2016 será manter ou ampliar a bancada na Câmara Municipal. Hoje, o PSD tem dois vereadores: Andrea Vergínio Capriotti e Josias da Juco. Andrea deve deixar o partido, já que é esposa do deputado Osvaldo Vergínio, que quer ser candidato a prefeito e também deve procurar outra legenda. O destino pode ser o PEN.

Delbio deixa partido e sai com críticas

publicidade

Delbio Teruel se filiou ao PSD em 2013 e, na ocasião, recebeu a promessa de que seria candidato a prefeito. Em 2014 foi candidato a deputado federal pelo partido, mas não foi eleito. Com a concretização da aliança PSD-PT no plano nacional e, agora, municipal, Teruel se desfiliou. Em nota publicada em rede social fez duras críticas à administração municipal e à decisão do diretório do PSD.

“Com a chegada do prazo para finalizar as filiações dos candidatos a prefeito e vereadores, a comissão provisória municipal do PSD, por meio da maioria dos seus membros, resolveu se aliar e apoiar este governo do PT que vem administrando a cidade. Como posso me aliar e apoiar um modelo de governo que venho combatendo e denunciando há mais de 10 anos”, questionou Teruel.

Comentários