Início Política “Quem não deve, não teme”, diz Luciano Hang após ser convocado para...

“Quem não deve, não teme”, diz Luciano Hang após ser convocado para depor na CPI da Covid

0
luciano hang cpi
Reprodução

Após ter sido convocado para depor na CPI da Covid-19, Luciano Hang, dono da rede de lojas Havan, usou as redes sociais para dizer que recebeu a informação com “tranquilidade”. O empresário publicou, na noite desta quarta-feira (30), uma nota em que diz estar à disposição para prestar esclarecimentos à Comissão.

publicidade

A CPI investiga se o apoiador do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) teria financiado plataformas e sites para promover Cloroquina e Ivermectina, medicamentos por ele defendidos no chamado “tratamento precoce” contra a covid-19, mesmo sem eficácia comprovada, como atestam diversos estudos e autoridades de saúde internacionais.

“Assim que a pandemia chegou ao país, no começo de 2020, sempre deixei claro que temos dois inimigos: o vírus e o desemprego. Me posicionei a favor da saúde, sem deixar de lado os cuidados com a economia”, declarou, em nota, o empresário, que protagonizou episódios de aglomeração ao inaugurar lojas em cidades como Belém (PA) e Teresina (PI).

publicidade

No texto, Hang citou ainda sua oposição às medidas dos governos estaduais, como o fechamento de comércios para conter a disseminação do vírus, criticada diversas vezes pelo presidente. “Lutei publicamente para que as indústrias, empresas, comércios, escolas e demais atividades seguissem abertas, mantendo emprego e sustentando famílias”.

“Também me empenhei na luta pela compra e doação de vacinas ela iniciativa privada. Lançamos um abaixo-assinado com o objetivo de mudar a Lei para acelerar o processo de vacinação no Brasil e, consequentemente, diminuir a fila do SUS”, continuou o empresário, que comentou sobre ter contraído o vírus e ter perdido a mãe para a doença.

publicidade

O empresário, que inaugurou uma loja da Havan em Osasco recentemente, disse que defendeu a compra da vacina para conseguir imunizar seus funcionários e dar a mesma oportunidade aos outros empresários. Hang afirmou que manteve seus 20 mil colaboradores e que deixou em casa gestantes e demais funcionários do grupo de risco.

“Mostre para queles 7 palhaços como se faz”, diz dono do Madero em apoio a Hang

As declarações de Luciano Hang foram defendidas pelo chef Júnior Durski, dono da rede Madero. “Vai lá guerreiro e mostre para aqueles 7 palhaços como se faz para ajudar o Brasil, eles, exceto roubalheira, nunca fizeram nada, na raça e na legalidade nunca ganharam nada! Tamo junto”, declarou o empresário, em referência aos membros da CPI da Covid no Senado.

Segundo o “Valor Econômico”, o dono do Madero soma dívida de R$ 2,4 bilhões junto a fornecedores, bancos e impostos. O empresário, assim como o presidente Jair Bolsonaro e Luciano Hang criticou as medidas de isolamento social, chegou a demitir centenas de funcionários em meio à pandemia.

cpi da covid luciano hang (1)
Reprodução/Instagram

Leia a nota publicada por Luciano Hang na íntegra:

“Recebo com tranquilidade a notícia da possível convocação para a CPI da Covid-19 e estou à disposição para qualquer esclarecimento. Nada melhor do que a verdade para elucidar os fatos.

Assim que a pandemia chegou ao país, no começo de 2020, sempre deixei claro que temos dois inimigos: o vírus e o desemprego. Me posicionei a favor da saúde, sem deixar de lado os cuidados com a economia do Brasil. Lutei publicamente para que as indústrias, empresas, comércios, escolas e demais atividades seguissem abertas, mantendo os empregos e o sustento das famílias.

Intensifiquei as doações e incentivos à saúde. Compramos 200 cilindros de oxigênio para Manaus (AM), no valor de quase R$ 1 milhão, durante o período mais crítico do estado. A Havan destinou mais de R$ 5 milhões para áreas da saúde em 2020. Doamos respiradores, macas, roupas de cama, utensílios de cozinha e máscaras descartáveis a diversos hospitais. Custeamos a vinda de profissionais da saúde de outros estados para fortalecer o atendimento na região de Brusque (SC). E, com a união de empresários da cidade, conseguimos doar testes e medicamentos à Secretária de Saúde.

Até hoje mantivemos todos os nossos 20 mil colaboradores, não desligamos nenhum por conta da pandemia e deixamos gestantes, pessoas com comorbidades e grupo de risco em casa. Continuamos investindo, abrindo lojas e acreditando no Brasil.

Além disso, também me empenhei na luta pela compra e doação de vacinas pela iniciativa privada. Lançamos um abaixo-assinado com o objetivo de mudar a Lei para acelerar o processo de vacinação no Brasil e, consequentemente, diminuir a fila do SUS. Abraçamos essa causa, pois queríamos muito conseguir imunizar os trabalhadores e também dar a chance de outros empresários fazerem o mesmo.

Eu mesmo peguei o vírus, perdi a minha mãe e amigos muito próximos. Acredito na importância de trabalharmos juntos para vencer essa guerra. É preciso buscar soluções para os problemas.

Por fim, continuo onde sempre estive: do lado do Brasil e dos brasileiros. Vamos em frente!”

CPI DA COVID// Escola de idiomas esclarece que não tem mais vínculo com Carlos Wizard

Comentários