Editorial – Quem não gosta de bike, bom sujeito não é

0

Parafraseando o gigante da música brasileira, Dorival Caymmi, na célebre composição “O Samba da Minha Terra”, quem se levanta contra iniciativas como a implantação de ciclofaixas, ciclovias, faixas exclusivas de ônibus e outras ações que visam a sustentabilidade e priorizam o transporte coletivo, “ou é ruim da cabeça, ou doente do pé”. Só pode ser. A atitude de uma parcela da elite paulista motorizada, que reclama da situação causada pela implantação de ciclofaixas, é sintoma de uma sociedade que há muito se desencontrou dos valores da vida em comunidade, da cidadania, do que é realmente importante e prioridade. Pode-se dizer o mesmo de quem se queixa de trânsito num domingo à tarde, em Osasco ou em Barueri, causado por dez segundos a mais de espera num semáforo nas regiões próximas às ciclofaixas.

publicidade

Consideram errado poluir menos, preservar a vida

Na sociedade desta gente, que classifica como “imposta” a abertura de uma ciclofaixa, a convivência deve mesmo ser difícil. Uma barbárie. A selvageria da selva de pedra, onde quem tem mais força — ou dinheiro — sempre manda mais.
E então consideram a errado dar oportunidade a quem mudou o estilo de vida para trabalhar ou estudar próximo de casa, para ir de bicicleta e poluir menos, preservar a vida dele e do próximo. Este está atrapalhando. Para esses sujeitos, faz bem o carro! O espaço de estacionamento, a fumaça, o barulho.

Também faz mal o ônibus. Sim, este que leva em seu interior 30 ou 40 automóveis a menos nas ruas. O monstro que transita mais rápido a um custo mais acessível e muito menos agressivo ao meio ambiente que os 30 ou 40 carros que substitui.
De fato, uma sociedade que considera dar valor à grita daquele tipo sedentário, solitário em seu automóvel beberrão de combustível, que nem mesmo carona ao colega dá, não é uma sociedade de bons sujeitos. São todos ruins da cabeça, ou doentes do pé!

publicidade

Comentários

publicidade

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPosse no STF
Próximo artigoFrases